Genocidio do povo
Cai a máscara dos “heróis do povo”
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
witzel_e_doria-13158481
Dois bolsonaristas | Foto: Reprodução

O governador Wilson Witzel decretou de flexibilização da quarentena em todo o Estado do Rio de Janeiro. A decisão foi divulgada por uma edição extra do Diário Oficial nessa sexta-feira (5). A medida desmascara o título de governador “científico” dada ao governador pela imprensa e pela esquerda no período precedente. Dessa forma, também caem por terra a falsa oposição entre governadores e Bolsonaro, provando-se uma disputa superficial.

Segundo o decreto, estão liberados o funcionamento dos bares, restaurantes, jogos de futebol, comércio, dentre outros. O transporte também voltará a funcionar, o ônibus intermunicipal, o metrô e a barca. O governo alega ter sido atingido o “achatamento da curva” de crescimento do número de casos graves pelo coronavírus. 

A inconsistência da afirmação se prova, contudo, a partir da informação de que o país esta chegando no “pico” da doença. Os números record de mortes diárias corroboram com essa informação. Para se ter uma ideia, o Brasil ultrapassou o marco de mil mortos em 24h em mais da metade dos dias da semana anterior, chegando ao terceiro lugar em número de mortos no ranking mundial – deixando França e Itália para trás. 

O instituto de métrica da Universidade de Washington que previu acertadamente o marco de 1500 mortos diários para junho no Brasil, conta que a partir do mês de agosto devemos atingir o marco de 5000 mortos diários.

Essa informação deve ser cruzada com a contagem de mortos por setor social. Pobres e negros são os que mais morrem pelo covid-19 no país, indicando que a doença ataca de maneira mais definitiva a classe trabalhadora. No Rio de Janeiro, Estado com o maior número de favelas do Brasil, as consequências disso são claras. Na contramão da propaganda de que o governador Witzel seria um grande defensor da ciência – ou seja, “bem sucedido” na contenção da doença, o Rio de Janeiro foi o primeiro Estado do sudeste a atingir a situação de superlotação dos hospitais. Os negros e moradores de favelas foram os mais atingidos. E nessa situação, foram anunciados os hospitais de campanha no Leblon, por exemplo, região da classe média alta carioca. 

A classe trabalhadora nunca teve direito a quarentena. Esse é o motivo das altas taxas de contaminação entre os pobres. O estudo da Economist reproduzido pelo estado carioca comprovou o fato indicando que os pobres perdem uma grande parcela ou a totalidade da renda caso deixem de sair de casa para trabalhar. O mesmo não ocorre com as classes médias e alta. Esse fato somado a situação desumana da moradia nas favelas, com cômodos apinhados de pessoas, falta de saneamento básico e serviços de saúde, deixam claro que o povo nunca teve direito a quarentena e nem aos investimentos de combate a doença. O que aconteceu foi uma falsa quarentena, restrita as classes mais altas. O povo, que continuou tendo de trabalhar, não teve acesso a essa medida. A retomada do trabalho nesse momento da pandemia, portanto, comprova que a política “cientifica”, em favor da população nunca foi uma realidade. 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas