Patrões genocidas
A situação catastrófica imposta pelos patrões em frigoríficos, a exemplo do grupo JBS/Friboi, mais de 68.000 funcionários poderão ser contaminados e grande contingentes de mortos
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Entrada de frigorífico do grupo JBS/Friboi
Entrada de frigorífico do grupo JBS/Friboi | Foto: Reprodução

Mato Grosso do Sul, um dos estados de maior quantidade de criação de gado de corte do país, em dados oficiais, registram até o momento, conforme imprensa burguesa 555 casos de testes positivos do COVID-19 em frigoríficos, destes, 289 somente em frigoríficos do grupo JBS/Friboi.

Conhecidos como o setor industrial de maior índice de acidentes e doenças e, o grupo JBS, como campeão entre todos os demais frigoríficos espalhados pelo Brasil, no caso do período de pandemia não perde essa posição.

O número de trabalhadores de frigoríficos contaminados pelo novo coronavírus chegou a 555, segundo levantamento parcial obtido pelo Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso (MPT-MS). Os dados são de 14 indústrias instaladas no estado que pertencem às empresas JBS S/A, Vale Grande Indústria e Comércio de Alimentos S/A, Agra Agroindústria de Alimentos, Minerva S/A e Marfrig Global Foods.

Os números estão sendo compilados desde o mês passado pelo MPT, a partir de informações solicitadas às empresas e aos órgãos de Vigilância Sanitária. Conforme os documentos apresentados, as confirmações foram obtidas por meio de testes rápidos e RT-PCR.

A situação é catastrófica para o conjunto de operários que trabalham no setor frigorífico, onde, apesar dos dados apresentados e subestimados, são tratados pelos patrões como algo menor, sem importância, uma vez que não procuram resolver o problema, quando na realidade o que importa é o lucro, ou seja, o contágio e até a morte dos seus funcionários devido ao coronavírus já está na conta.

A situação do JBS (os demais frigoríficos não ficam distantes dessa realidade), já apresentou, no estado do Rio Grande do Sul, contaminação em frigorífico de mais de 40%, Em Dourados, município de Mato Grosso do Sul, no frigorífico Seara Alimentos, com cerca de 4.300 trabalhadores, destes, mais de 1.200 trabalhadores testaram positivo, a situação criminosa imposta pelos patrões, inclusive compartilhada pelo seu governo, como o Fascista Bolsonaro tem que ser paralisada, do contrário, milhares de operários, bem como, seus familiares serão contaminados e mortos.

Essas são as informações obtidas na imprensa venal, como Globo, Estadão, Folha de São Paulo, etc., que corroboram com os dados ocultados da realidade, por outro lado, o Ministério Público do Trabalho (MPT) que já acionou frigoríficos e até interditou meia dúzias, a maioria das informações são obtidas pelos próprios donos dos frigoríficos ou dos governos estaduais, municipais e o federal do fascista Bolsonaro e sua trupe, como a latifundiária, golpista e ministra da agricultura Tereza Cristina, que considera um exagero, (apesar de bastante diminuída a sua gravidade), as denúncias de casos de coronavírus em frigoríficos, mesmo nessa circunstâncias, onde, em um único frigorífico existir mais de 40%, somente no JBS, onde existem 170 mil trabalhadores no Brasil, conforme informação da própria JBS, podemos ter mais de 68 mil infectados e um enorme contingente de operários mortos, culpa dos patrões e seu governo genocidas.

É preciso para as atividades em frigoríficos, para que seja preservada a vida dos funcionários.

Criar comissões de fabricas, onde se discuta as atrocidades cometidas pelos patrões e tomar as medidas necessárias para impor uma derrota a esses escravagistas genocidas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas