Vaza jato
Deltan Dallagnol tinha como meta investigar empresas que pudessem estar sujeitas à jurisdição do governo norte-americano, de modo a permitir a interferência estrangeira no Brasil.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
O procurador da República Deltan Dallagnol, que integra o núcleo da Operação Lava Jato,  participa de lançamento, no Rio, do projeto 10 Medidas Contra a Corrupção, do MPF  (Vladimir Platonow/Repórter da Agência Brasil)
Deltan Dallagnol, promotor da Operação Lava Jato. Foto: Vladimir Platonow/ Agência Brasil |

Novos documentados revelados pelo portal The Intercept Brasil comprovam, mais uma vez, aquilo que já estava óbvio: o procurador da Lava Jato Deltan Dallagnol é um títere do imperialismo norte-americano. De acordo com os documentos, Dallagnol havia estabelecido como meta do seu trabalho encontrar empresas que pudessem estar sujeitas à jurisdição do governo norte-americano. Com isso, Dallagnol visava construir acordos que permitissem ao governo norte-americano interferir diretamente em empresas brasileiras.

O documento revelado pelo Intercept é uma planilha com as metas de Deltan Dallagnol, reproduzida logo abaixo. Na célula D4, pode-se ler a meta “ESTRANGEIRAS – novos acordos com o DOJ”. O DOJ é o Departamento de Justiça dos Estados Unidos. Já na célula E4, pode-se ler a descrição da meta: “verificar quais empresas ainda podem estar sujeitas ao DOJ e poderiam fazer acordo”.

Em dezembro de 2016, Dallagnol conseguiu, de fato, envolver o governo norte-americano em suas investigações. Como a empreiteira brasileira Odebrecht possuía relações com a petroquímica norte-americana Braskem, Dallagnol conseguiu utilizar a FCPA, a lei de corrupção internacional dos EUA. Como resultado, foi feito um acordo em que tanto a Odebrecht quanto a Braskem se comprometeram a permitir que um “monitor externo”, indicado pelos EUA, faça relatórios sobre as atividades da empresa e os envie ao Departamento de Justiça. Esses relatórios poderiam incluir informações “proprietárias, financeiras, comerciais e concorrenciais sigilosas” – isto é, seriam relatórios de espionagem do imperialismo norte-americano sobre a economia brasileira.

Segundo o Ministério Público Federal (MPF), teria sido o próprio Dallagnol o interessado em procurar as empresas sujeitas à jurisdição dos Estados Unidos. Segundo sua assessoria, “a atuação conjunta do MPF com autoridades estrangeiras é um fator de incentivo a que mais empresas resolvam cooperar com as investigações, apresentar provas dos crimes praticados e ressarcir os valores desviados”. No entanto, não é essa a realidade.

O golpe de Estado de 2016, a prisão de Lula, a destruição da indústria nacional e a interferência do imperialismo norte-americano na economia e na política do Brasil não foram um plano planejado e articulado por Deltan Dallagnol e por Sérgio Moro – figuras que aparecem como grandes “heróis” do combate à corrupção. Quem planejou todas as conspirações contra o povo brasileiro por meio da Operação Lava Jato, orientou e corrompeu os agentes do MPF e do Judiciário brasileiro e é o grande interessado no avanço do golpe de Estado é o imperialismo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas