Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
dallagnol
|

Nova conversa entre Dallagnol e Moro, divulgada pelo The Intercept Brasil nesta última segunda-feira (15), revela que o promotor queria desviar verbas públicas da 13ª Vara Federal de Curitiba para fazer um comercial na Globo promovendo a assim chamada “luta contra a corrupção”.

O pedido de Dallagnol a Moro foi feito pelo Telegram, no dia 16 de janeiro de 2016:

“Vc acha que seria possível a destinação de valores da Vara, daqueles mais antigos, se estiverem disponíveis, para um vídeo contra a corrupção, pelas 10 medidas, que será veiculado na globo?? A produtora está cobrando apenas custos de terceiros, o que daria uns 38 mil. Se achar ruim em algum aspecto, há alternativas que estamos avaliando, como crowdfunding e cotização entre as pessoas envolvidas na campanha”.

Moro respondeu alguns dias depois, afirmando que “se for só uns 38 mil acho que é possível”. Pedia então alguns dias a mais para uma resposta definitiva.

O vídeo acabou sendo feito, e mostra um ladrão de terno e gravata invadindo e roubando uma casa de família de classe média.

O que Moro e Dallagnol negociavam era dinheiro proveniente de multas, custas judiciais e outras verbas que ficam sob a custódia do Poder Judiciário. Valores que, no caso da Justiça Federal, pertencem ao Tesouro Nacional. É dinheiro público.

O vídeo seria divulgado na Globo pouco mais de um mês após a instauração do processo golpista de impeachment de Dilma Rousseff. Era momento em que a propaganda do golpe corria como uma locomotiva por cima do Brasil, a todo vapor, e promotores e juiz da Lava Jato eram apresentados pela imprensa burguesa quase como heróis.

Por tudo isto, as tratativas de Dallagnol e Moro sobre uso ilícito de dinheiro público, não poderiam ser mais didáticas: identificar a operação Lava Jato com “luta contra a corrupção” foi apenas mais uma daquelas tantas histórias de ficção criadas pela burguesia para enganar o povo brasileiro.

E boa parte da classe média pequeno-burguesa caiu fácil nesta história muito mal contata, revelando toda a inocência e vulnerabilidade deste setor da sociedade quando às recorrentes enganações e manipulações da alta burguesia.

Um juiz e um promotor tomarem para si o dinheiro público para, em última análise, fazer propaganda do próprio trabalho como fazem tantos pequenos prefeitos do interior do Brasil, mostra todo o ridículo da Lava Jato, que boa parte da classe média brasileira e até mesmo alguns setores da esquerda chegaram a apoiar.

Mas basta que algumas poucas conversas venham a público para que não haja mais dúvidas, mesmo para os menos esclarecidos pequeno-burgueses, que a Operação Lava-Jato nada mais é do que a maior ação criminosa do Judiciário brasileiro de nossa história, movida tão só para tirar uma legítima Presidenta do poder e depois retirar, do povo brasileiro, o direito de votar em Lula.

Algo simples, que a maioria do povo entendeu muito bem desde o início, mas que enganou muito “bem pensante” por aí: Dallagnol e Moro estavam a frente de uma operação de simples perseguição política, com o objetivo de manipular as eleições e tirar do páreo o candidato preferido do povo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas