Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
8b5ae9587aedd577efc18164dbba4186
|

Da redação – Ontem, 28, a Central Única dos Trabalhadores completou 35 anos de existência. No período de sua fundação, 1983, o Brasil chegou a atingir, aproximadamente, 15 mil greves em um único ano. Não há dúvida que as greves e a organização dos trabalhadores tornam qualquer ditadura, como a do golpe de 1964, insustentável. Uma lição para os dias de hoje.

A CUT, que começou com cerca de 40 sindicatos, em torno de 5 mil trabalhadores, atualmente contempla 3.980 entidades filiadas, 7,9 milhões de trabalhadores associados que representam uma base de 25,8 milhões. Sendo no tempo presente a quinta maior central sindical do mundo.

A CUT criou condições para a fundação do Partido dos Trabalhadores, de onde saiu a maior parte da esquerda que atua hoje.

No centro dos principais acontecimentos sindicais e na luta contra o golpe de 64, sempre esteve Luiz Inácio Lula da Silva, que chegou a ser preso durante o regime ditatorial dos militares. No atual golpe de 2016, mais uma vez preso político, desta vez Lula está indo para quase 150 dias encarcerado.

Lula personifica essa história. E como deixou límpido e claro o presidenciável Ciro Gomes: Lula polariza a situação política. Ou seja, Lula por ser um representante da classe operária diante do regime político, escancara a luta de classes. Deixando nítido que os interesses dos trabalhadores divergem do Estado capitalista.

Lula, mais uma vez, é uma peça chave. A insistente tentativa de seu isolamento por parte dos golpistas é a maneira de desfazer a organização que os trabalhadores conquistaram até então, impedir o avanço da classe operária.

Como parte das históricas décadas da CUT, lutar pela liberdade de Lula frente aos golpistas e para que ele seja presidente é lutar pela a existência dos sindicatos, da sua principal central, do maior partido da América Latina, o PT, e por consequência, pela sobrevivência de toda a esquerda brasileira e do nosso continente diante da ofensiva do imperialismo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas