Desemprego e privatizações
A Corrente Sindical deliberou pela realização de panfletagens e colagem de cartazes contra as privatizações e desemprego, conjuntamente com os sindicatos e partidos de esquerda.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Corrente-Sincial-Causa-Operaria-Reuniao-1-p03r7pqh7xzq22ejw5o7jw2qdh5nb98kvwnvpnij34
Cartaz de divulgação da reunião da Corrente Sindical Nacional Causa Operária. | DCO - Reprodução.

A Corrente Sindical Nacional Causa Operária,  realizou ontem um reunião nacional, com companheiros de quatro regiões do País, e uma convidada do Reino Unido, para dar prosseguimento, à campanha de agitação contra as demissões e privatizações no país. A ideia é impulsionar a mobilização de amplos setores da classe trabalhadora, do ativismo de esquerda, dos movimentos sociais, dos sindicatos e organizações populares. A política de conciliação com a direita golpista, praticada pelas direções políticas da esquerda e dos sindicatos, leva a paralisia das lutas dos trabalhadores.

O Brasil bateu recorde de desemprego. Pela primeira vez na história, mais da metade da força de trabalho está desocupada. Com o fim do auxílio emergencial, previsto para o mês de janeiro, dezenas de milhões de brasileiros não terão qualquer fonte de renda, por menor que seja. A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), preocupada com a possibilidade de uma explosão social no Brasil, assinalou a necessidade de uma rede universal de proteção social, que abarque os trabalhadores informais, isto é, a maioria da população.

O governo Jair Bolsonaro (ex-PSL, sem partido) e seus ministros saúdam a informalidade como o modelo para as relações de trabalho. Em diversas ocasiões, o ministro da Economia, Paulo Guedes, destacou que a ideia é que as relações de trabalho formais se aproximem ao máximo das relações informais. O ideal para os trabalhadores seria a inexistência de direitos trabalhistas, conforme a concepção neoliberal.

No contexto da pandemia do COVID-19, o presidente ilegítimo Bolsonaro e os partidos golpistas no Congresso Nacional (MDB, PSDB, DEM, PSD, Progressistas, Republicanos, PSL)  aprovaram um conjunto de medidas que facilitam as demissões, redução de salários e retirada de direitos. Milhões de trabalhadores perderam seus postos de trabalho no momento em que suas vidas e de suas famílias está em risco.  Há de se destacar que não foi tomada nenhuma providência real para organizar o povo e enfrentar a pandemia, que está totalmente fora de controle e vitimou cerca de 185 mil pessoas, de acordo com os dados oficiais, reconhecidamente subestimados.

Em meio à trágica situação em que se encontra o país, fruto do golpe de Estado de 2016, os golpistas agem para avançar do patrimônio público para o capital estrangeiro. Recentemente, Guedes afirmou que as prioridades do governo Jair Bolsonaro são as privatizações da Eletrobrás, Correios, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e Petrobrás. Nos últimos meses, empresas subsidiárias da Petrobrás e diversas plataformas de exploração de petróleo foram entregues. No Distrito Federal, Companhia Energética de Brasília (CEB) foi entregue para Neonergia, empresa controlada pelo capital imperialista espanhol.

É preciso uma campanha de agitação política em torno desses dois problemas fundamentais da situação política. A Corrente Sindical Nacional Causa Operária vai organizar a distribuição massiva de panfletos, colagem de cartazes e mobilizações por todo o país. Os sindicatos devem ser chamados a participar da luta contra as demissões e contra as privatizações. No caso, a Central Única dos Trabalhadores (CUT), maior organização operária da América Latina, com mais de quatro mil sindicatos pela base, tem que desempenhar sua função de defender os trabalhadores e as condições de vida da classe operária.

A burocracia sindical, que não mobiliza em defesa dos trabalhadores e mantém os sindicatos em paralisia, está preocupada com as férias deste final de ano. É preciso desenvolver a campanha de agitação nas ruas e obrigar a burocracia a se mexer. Enquanto os burocratas sindicais tiram férias, os trabalhadores são atacados, lançados ao desemprego e à miséria, uma vez que não há perspectivas de crescimento econômico neste momento.

Principais deliberações da reunião geral da Corrente Sindical Causa Operária de ontem:

  • Manter as atividades em todo o País, nas próximas semanas visando fixar mais de 10 mil cartazes e distribuir 20 mil panfletos, ainda em 2020;
  • Procurar os sindicatos e setores da esquerda para desenvolver a campanha de forma conjunta;
  • Aproveitar o final do ano para realizar as atividades e dar visibilidade à campanha.
  • Produzir um novo cartaz e uma camiseta a serem lançados no começo de 2021.

 

 

 

 

 

 

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas