Mais de 80% de aproveitamento
Em meio a onda de exaltação dos técnicos gringos, um experiente brasileiro roubou os holofotes. Luiz Felipe Scolari chegou ao Cruzeiro num momento muito complicado para o clube.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
50549344162_c532881553_k
Felipão foi trazido para salvar o tradicional clube mineiro. | Foto: Bruno Haddad/Cruzeiro/Fotos Públicas.

O Cruzeiro havia começado bem na temporada 2019, conquistando o título estadual e fazendo boa campanha na fase de grupos da Libertadores. No entanto, a partir de uma investigação da Polícia Civil envolvendo cartolas do clube em crimes como lavagem de dinheiro e apropriação indébita, o time seguiu ladeira abaixo. Eliminado da Copa do Brasil e da Libertadores, lutou contra o rebaixamento até sucumbir diante do Palmeiras no final do ano.

O fraco desempenho da “raposa” na Série B do Campeonato Brasileiro deste ano fez com que um trágico rebaixamento para a Série C aparecesse como risco real para o clube. Não bastasse o trauma do rebaixamento, o Cruzeiro já começou a competição com pontuação negativa por conta de uma punição da Fifa (ao total seis pontos negativos). A punição, que serviu para pressionar ainda mais o clube, foi motivada por ação movida pelo clube Al-Whada da Arábia Saudita relacionada ao empréstimo do volante Denílson. Para atender aos interesses dos capitalistas sauditas, a Fifa impôs um obstáculo a mais para o Cruzeiro.

Em meio a esse turbilhão, o clube mineiro buscou um nome de peso. Felipão chegou para comandar a equipe justamente quando ela se encontrava no Z4, ou seja, entre os quatro últimos colocados na competição. Com três vitórias e um empate, ele não só tirou o time da zona de rebaixamento como já faz a torcida até sonhar com a volta à Serie A, o que seria um feito extraordinário.

Para se ter uma ideia, quando o treinador assumiu o time, o site Probabilidades do Futebol do departamento de matemática da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) apontava apenas 0,65% de chances do Cruzeiro conquistar o acesso à Serie A nesta temporada, enquanto indicava a chance de rebaixamento acima dos 50%.

Campeão Mundial com a Seleção Brasileira em 2002, o gaúcho de Passo Fundo (RS) comandou a equipe pentacampeã que encantou o mundo. Após esse feito, encarou o desafio de treinar a Seleção Portuguesa, onde conseguiu levar esse país às semifinais da Copa de 2006, perdendo para a seleção anfitriã. Parece pouco, mas a Seleção Portuguesa não tinha um desempenho assim desde 1966 quando contava com o melhor jogador da sua história, o moçambicano Eusébio.

Muito criticado pela campanha na Copa de 2014, novamente no comando da Seleção Brasileira, Felipão assumiu a responsabilidade pelo traumático 1 X 7 na semifinal. Porém cabe aqui lembrar que a equipe brasileira foi duramente pressionada pela imprensa golpista, que temia que uma grande atuação brasileira poderia beneficiar a candidatura à reeleição de Dilma Rousseff no mesmo ano.

Em meio a moda de contratar técnicos estrangeiros, o Cruzeiro resolveu apostar no conhecimento de Felipão. E isso vem se mostrando um grande acerto, até porque a diretoria da “raposa” não tinha margem para se aventurar.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas