Boris Johnson Announces His Domestic Priorities In Manchester Speech

As tensões ocasionadas pelo Brexit e pelo atual primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, sobre como ficará a situação da saída do Reino Unido da União Europeia, só aumentam. O primeiro-ministro de extrema-direita, que antes afirmava que o País sairia da UE sem nenhum tipo de acordo, agora aparenta estar voltando atrás com sua palavra e dando a entender que um acordo seria a melhor saída. O que fica subentendido é que Johnson está com medo de possíveis bloqueios econômicos que possam vir a ocorrer sobre o Reino Unido como consequência do Brexit.

Boris Johnson, que mesmo com boas expectativas sobre um acordo com a UE, afirmou que o Reino Unido precisa se preparar para uma saída sem acordos, além de dizer que eles não só sairão sim da União Europeia, como também não possuem planos de quitar a multa de 39 bilhões de euros que o Reino Unido deveria pagar aos europeus.

A medida que essas negociações avançam, esses acordos ficam mais perigosos para todos os lados. Theresa May, também de extrema-direita, por exemplo, acabou caindo do cargo de primeira-ministra por não conseguir acordar essa saída da União Europeia. Além disso, apesar de Johnson negar, essa saída do Brexit poderia gerar um caos econômico gigante, principalmente no provável estabelecimento de uma fronteira entre Irlanda e Irlanda do Norte, localizada na província britânica.

O estabelecimento dessa fronteira significaria que a União Europeia poderia interferir nas relações comerciais na parte que lhe cabe na Irlanda, o que afetaria a parte britânica, que provavelmente teria dificuldades para fazer, por exemplo, com que os produtos cheguem aos mercados, etc., uma vez que eles poderiam ficar parados nos portos da parte europeia. O que fica subentendido é que Johnson está com medo de possíveis bloqueios econômicos que possam vir a ocorrer sobre o Reino Unido com o Brexit.

O prognóstico ainda é incerto, tudo vai depender se Johnson, na sua tentativa de ser mais incisivo que May, conseguirá fazer com que o Reino Unido saia da UE e, ainda assim, consiga se manter firme economicamente e sempre lembrando que grande parte dessa vontade do Reino Unido em sair da UE está nas políticas falidas de bem-estar social impostas pelo imperialismo, composto por uma burguesia cada vez mais decadente.