Crise no Partido Democrático: “Socialista” derrota deputado clintoniano que tinha cargo há 20 anos

Alexandria Ocasio Cortez serveimage

Uma ativista comunitária de 28 anos chamada Alexandria Ocasio-Cortez, desconhecida, sem experiência eleitoral ou em cargos políticos foi a vitoriosa nas eleições primárias do Partido Democrático para o congresso dos Estados Unidos num distrito eleitoral de Nova Iorque que inclui partes dos bairros do Bronx e Queens. A vitória de Alexandria pegou a todos de surpresa, inclusive seu concorrente, o deputado Joseph Crowley, que davam como certa a vitória deste. A candidata eleita fez uma campanha com pouquíssimos recursos financeiros e consistiu em grande parte em contato direto com os eleitores.

A vitória de Alexandria levada em conta isoladamente pode paracer pouco expressiva pois ocorreu numa eleição com baixo comparecimento às urnas e com a falta de ação do seu oponente que acreditava ganhar por antecipação. Ela recebeu 16.000 votos num distrito com uma população de 650.000 pessoas. O candidato derrotado pertence ao grupo ideológico dentro do partido chamado Novo Democrático ao qual pertence também o casal Clinton e que determinou seus rumos desde a era de Bill Clinton. Esse grupo que grangeava popularidade em razão de suas posições favoráveis a pautas identitárias tem perdido popularidade e consequentemente poder dentro do partido desde o fiasco das eleições de 2016. A contradição entre a falta de atenção com os problemas gerais da população, o ataque frontal contra ela e a política favorável aos interesses de Wall Street e do grande capital em geral levou algum tempo para ficar evidente aos olhos dos eleitores democratas. Ela finalmente emergiu nas eleições primárias de 2016 quando o candidato Bernie Sanders foi o preferido entre o eleitorado jovem mais à esquerda e só perdeu as eleições por força da fraude maciça levada a cabo pelo comitê eleitoral de Hillary Clinton.

O resultado que conferiu a candidatura do Partido Democrático a Alexandria, personagem que fala abertamente em justiça econômica e social, o que na terra de Tio Sam chega a ser uma temeridade, pode ser o início de uma guinada à esquerda do seu eleitorado. Por outro lado com a já visível ascenção da direita pode também ser o início de um processo de divisão radical dentro da sociedade norte-americana.