Crise no Judiciário: nove advogados são assassinados em apenas um mês

oabordem1

Em um mês, pelo menos nove advogados foram assassinados em vários Estados brasileiros. Quase todos foram mortos a tiros, indicando claramente uma execução.

Na cidade de Caucaia, no Ceará, dois advogados entraram para a estatística: Renato Jorge Rocha Bezerra, encontrado amarrado e com várias marcas de tiro, e o advogado e ex-vereador Francisco Erivaldo Rodrigues, assassinado a tiros por três homens em seu escritório. Em Natal, no Rio Grande do Norte, o advogado Rubens Azevedo de Maia foi encontrado morto com vários tiros no corpo.

O Agreste Pernambucano também testemunhou o assassinato de um advogado: em Caruaru, André Ambrósio Ribeiro Pessoa foi executado a tiros depois de ter sido abordado por um desconhecido. Já em Feira de Santana, na Bahia, a advogada Silvia da Silva Carvalho foi sequestrada e morta a tiros.

No Espírito Santo, os advogados não tiveram melhor sorte. Emerson Vieira foi morto a tiros na frente das filhas na cidade de Vila Velha. O Estado de São Paulo, por sua vez, foi duplamente escolhido pelos executores: o advogado Kléber Martins de Araújo foi encurralado por quatro homens e morto com pelo menos cinco tiros na cidade de Campos do Jordão, enquanto o advogado Nilson Aparecido Carreira Mônico foi baleado três vezes em seu próprio escritório, em Presidente Venceslau.

Encerrando a lista, o advogado Sérgio Beze Prates foi morto a tiros em seu próprio carro, que se encontrava em Goiânia, no Estado de Goiás.

A recorrência de assassinatos de advogados no Brasil é mais um sintoma do apodrecimento do Regime Político. Assim como os juízes e promotores, os advogados são parte essencial do Poder Judiciário, que, por sua vez, são um dos pilares do Regime Político dominado pelos golpistas. Uma vez que há uma enorme crise no interior da burguesia, a tendência é que a instabilidade impere em todas as estruturas que antes lhe davam sustentação.

Em outras palavras, do mesmo modo que a “livre concorrência” foi estrangulada pelos monopólios, da mesma forma como o trabalho assalariado está sendo substituído por uma espécie de trabalho escravo, a burguesia encontra cada vez mais dificuldades de permitir que a Justiça tenha o mínimo caráter imparcial e inabalável – afinal, se advogados estão sendo livremente assassinados, não há qualquer razão para crer que as sentenças do Judiciário não sejam afetadas por influências externas.

O apodrecimento do Regime Político aponta de maneira clara a necessidade de a classe trabalhadora se organizar de forma independente. Pela construção de um partido operário e de massas! Pela multiplicação dos comitês de luta contra o golpe! Por uma Assembleia Constituinte que ponha abaixo a farra dos golpistas!