Pressão econômica
Sob a mira de capitalistas internacionais, o clube mineiro já vai começar a disputa da Série B com pontuação negativa e pode ser rebaixado pela Fifa.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
50176794193_8a9df268ea_k
Em meio à crise econômica, Cruzeiro jogou contra o Patrocinense pelo Campeonato Mineiro. | Foto: Foto: Bruno Haddad/Cruzeiro/Fotos Públicas.

O Cruzeiro Esporte Clube, tradicional clube de futebol de Minas Gerais, vai começar a disputa da Série B do Campeonato Brasileiro com pontuação negativa e existe um pedido apresentado à Fifa para que o clube seja sumariamente rebaixado à Série C.

O imbróglio tem como pano de fundo a falta de pagamento de valores referentes ao empréstimo do volante Denilson junto ao clube Al Wahda, dos Emirados Árabes Unidos, em 2016. O volante, que já passou por São Paulo e Arsenal, só chegou a disputar cinco partidas pelo Cruzeiro.

O clube mineiro já vinha passando por dificuldades econômicas, que foram agravadas com a interrupção dos campeonatos, e tentou negociar um adiamento para o segundo semestre, porém essa possibilidade foi rechaçada pelo Al Wahda.

Se disputar a Série B já é uma experiência complicada para os grandes clubes brasileiros, começar com 6 pontos negativos já era um agravante. Agora, o risco de rebaixamento sumário eleva a um nível dramático a pressão econômica sobre a “Raposa”.

Segundo o dirigente cruzeirense, Sérgio Santos Rodrigues, o valor que o clube deve em processos na Fifa já soma um total de R$ 70,3 milhões. Isso sem contar as custas processuais da própria Fifa, que cobra em francos suíços.

O tetracampeão brasileiro sofre essa enorme pressão política e econômica justamente em um momento em que a propaganda favorável aos clubes-empresa está em alta. Atrapalhando essa campanha, o Corinthians barrou o avanço do finado Bragantino (ou Red Bull Bragantino) no Campeonato Paulista. O clube do interior de São Paulo vem sendo utilizado como exemplo de sucesso desse “modelo de gestão”.

Obviamente, mesmo com o tropeço do Red Bull os interesses capitalistas seguem assediando os clubes nacionais e a propaganda dos seus interesses seguirá tendo ampla repercussão nos monopólios da imprensa. Como já denunciamos neste Diário, essa desfiguração dos clubes é um crime contra o futebol brasileiro e precisa ser combatido.

Por se tratar de um grande clube brasileiro, o Cruzeiro desperta a cobiça do capital internacional. Além dos títulos nacionais e estaduais, o time mineiro conquistou duas vezes a Copa Libertadores da América. Um prato cheio para os tubarões do mercado do futebol.

Como manda o parasitismo característico desta etapa decadente do capitalismo, nenhum grande investidor está disposto a criar um clube a partir da fundação: construir infraestrutura, contratar profissionais, criar categorias de base, promover eventos para a população, entre muitas tarefas que envolvem a construção de um clube de futebol.

O plano dos capitalistas é claro, pegar o que já está pronto e extrair o máximo de lucro possível. Se algo der muito errado, não vão hesitar em retirar seu capital e procurar outro investimento melhor.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas