Crise neoliberal na Argentina: cai o segundo presidente do Banco Central

caputo

Da redação – O presidente do Banco Central da Argentina, Luis Caputo, renunciou nesta terça-feira (25) seu cargo e deixou o presidente, Mauricio Macri, desfalcado em meio a crise da agenda neoliberal.

A decisão oficial acontece em meio a uma grande greve geral, levada a cabo na nação em rejeição das políticas que levaram o país de volta à escravidão do Fundo Monetário Internacional (FMI). Caputo abandonou o barco mas deixou uma declaração, garantindo sua “convicção de que o novo acordo com o FMI restabelecerá a confiança na situação fiscal, financeira, monetária e cambial”. Os milhares de trabalhadores paralisados em todo o país, organizados na Confederação Geral do Trabalho (CGT), em sindicatos, partidos de esquerda, discordam e por isso vão lutar contra o governo capacho do imperialismo.

 

Twwitter do ex-funcionário:

 

Esta já é a segunda renúncia no cargo de presidente do Banco Central Argentino durante a gestão de Macri, sendo Federico Sturzenegger, o primeiro que não suportou o alto nível de crise desse governo inimigo do povo argentino que, como em todo país onde os capitalistas estrangeiros mandam, tem que destruir todas as conquistas do povo e entregar as empresas nacionais.

O presidente argentino terá que se pronunciar sobre o assunto, no entanto, está em visita, exatamente aos patrões dos Estados Unidos, onde participa da 73ª Assembléia Geral das Nações Unidas.