Menu da Rede

Bloco Vermelho conquistou as ruas do Rio de Janeiro

Pretexto para atacar

Crise hídrica, desculpa para roubar os trabalhadores

O alerta disparado pelo governo golpista, privatizante, sobre um possível "risco hídrico" é a senha para a privatização do setor elétrico

O período de escassez de chuvas vem sendo usado como pretexto para mais um ataque aos direitos da população – Foto: “Reprodução”

Publicidade

No rastro da crise elétrica que muito provavelmente se instalará no País no segundo semestre, com a inevitável ocorrência dos apagões nas grandes cidades e demais regiões, o governo golpista, que ao invés de buscar soluções sustentáveis para não permitir que seja novamente revivido no Brasil o pesadelo do racionamento, está indo na direção contrária, privatizando a estatal responsável pela gestão da energia elétrica nacional – a Eletrobrás.

A consequência mais imediata desta política de rapina em favor dos grandes capitalistas é a ameaça de racionamento de energia no País, previsto para acontecer em setembro ou outubro. O nome que se dá a mais este golpe contra os direitos da população é “risco hídrico”, formulado pelo Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico.

O Órgão governamental criado para regular o setor – a Aneel – vem se colocando não como defensora dos interesses públicos, controlando e regulando a atuação das empresas privadas que já operam no fornecimento de energia elétrica em alguns estados, mas vem funcionando como uma espécie de subsidiária do setor privado, uma vez que está trabalhando para a Enel, empresa que praticamente já tomou conta dos serviços de distribuição de energia país afora, aumentando o preço das tarifas de luz por kWh consumido.

Como sempre, os burocratas do Estado que não sofrem e não sentem na pele os efeitos do racionamento e dos aumentos nas tarifas, encontram sempre um pretexto para ir adiante nas soluções que, via de regra, recaem sobre as costas dos trabalhadores e da população pobre. Neste sentido, os integrantes do já citado Comitê, reunidos no dia 27 de maio, reiteraram que “medidas de racionalização do consumo de energia já deveriam estar em marcha. Entre elas, retomar a bandeira vermelha na conta de energia elétrica dos consumidores” (G1, 28/5). Ou seja, a resposta à incompetência, à política de entrega do patrimônio público ao capital privado, é o ataque à população, aos direitos do povo trabalhador, que está obrigado a racionar a energia, diminuindo o consumo. Tudo isso por exigência do mercado, para a satisfação dos capitalistas, que lucram com o sofrimento da maioria da nação. 

Toda essa encenação, todas essas justificativas apresentadas como medidas que deveriam ser adotadas para sanear o setor, evitar o racionamento e os futuros apagões nada mais são do que pretextos, uma desculpa esfarrapada para levar adiante o verdadeiro intento do governo neoliberal golpista dos militares e do corrupto “Centrão”, que não é outra senão consumar o golpe das privatizações que estão sendo anunciadas pelo senhor Paulo Guedes, inimigo do Estado e do povo brasileiro.  

A luta em defesa do patrimônio público nacional, das estatais, das empresas públicas, deve ganhar a centralidade dos protestos da população que voltou a ocupar as ruas; das mobilizações que os trabalhadores e funcionários dessas empresas devem organizar para impedir a privatização, a entrega ao capital privado. A luta deve se dar também com a estratégia da ocupação dos locais de trabalho, medida eficaz para impedir a privatização. 

Junto a essas medidas, é necessário uma ampla campanha de denúncia desse verdadeiro crime que o governo e a burguesia estão perpetrando contra a economia nacional e os interesses do povo. Ao mesmo tempo, é necessário exigir a imediata interrupção de todo o processo de privatização atualmente em curso, colocando na ordem do dia, também, a revogação de todas as empresas que já foram privatizadas, com a reestatização das mesmas, que devem passar para o controle dos próprios trabalhadores.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.