A crise na Europa
A contração no segundo trimestre é a maior já registada no país desde 1955 e superou os dados de Alemanha, França, Itália e Espanha
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
49666402113_3145d81f37_b (1)
Primeiro Ministro do Reino Unido, Boris Johnson durante coletiva de imprensa | Foto: Andrew Parsons/No 10 Downing Street/Flickr-Reprodução

Já fazia mais de uma década que o Reino Unido não entrava em uma recessão econômica. O fato foi confirmado pelo governo britânico na última terça-feira (12/08). O Produto Interno Bruto do país teve uma queda de 20,4% entre os meses de abril e junho quando comparados ao primeiro trimestre de 2020.

O PIB do Reino Unido já dava sinais de queda desde o primeiro semestre quando registrou uma retração de 2,2%. Com um segundo trimestre consecutivo de contração econômica o império oficializou sua recessão.

Os dados apresentados pelo Escritório Nacional de Estatísticas apontam que todos os setores da economia foram atingidos e a justificativa foi a pandemia da Covid-19. A contração no segundo trimestre é a maior já registada no Reino Unido desde 1955, quando começaram os registros trimestrais.

A crise atual dos britânicos também é a maior dentre as economias da Europa. A queda da atividade econômica superou os números registrados na Europa continental pela Alemanha (10,1%), França (13,8%), Itália (12,4%) e Espanha (18,5%).

Os setores mais afetados no segundo trimestre foram hotelaria, restaurantes e bares, que sofreram uma queda de 86,7%. O comércio varejista, por sua vez, caiu 20%. Transportes, 30%. O setor da educação sofreu uma contração de 34,4%. A construção caiu 35%, enquanto a indústria teve queda de 20,2% entre abril e junho.

Uma recessão econômica significa mais desemprego e, portanto uma tendência ao acirramento da luta de classes e consequentemente da polarização política. No Reino Unido a classe operária está apoiada em uma ala mais à esquerda do Partido Trabalhista, enquanto que a extrema-direita é o próprio governo.

. O resultado das eleições nacionais na Irlanda em fevereiro, que quebrou um século de hegemonia da direita no poder, confirmou a tendência à polarização e a instabilidade política nos arredores de um dos principais países imperialistas, e importante centro político e financeiro mundial.

Por outro lado, a saída do Reino Unido da União Europeia, o Brexit, apresenta-se desde já como uma política insuficiente para conter a crescimento da crise econômica que vai além da derrocada do neoliberalismo em todo o mundo e configura-se como uma crise do regime capitalista de conjunto.

Nesse sentido, a classe operária europeia deve organizar-se para intervir na crise com o seu próprio programa político, rejeitando a demagogia da extrema-direita e propondo uma ruptura completa com a burguesia de todo o velho continente.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas