Crise do regime político na Alemanha: extrema-direita organiza protestos contra imigrantes em Cheimnitz

fascsimo al

Cada vez mais os sintomas da crise do regime imperialista ficam nítidos. A extrema-direita está em ascensão no mundo, e está se criando um nicho forte no continente europeu e norte-americano, isto é, no centro dos regimes principais imperialistas. Em muitos países, como na Itália e na Áustria o fascismo já controla o governo. Na França e na Alemanha estão ameaçando o governo, tanto que a atual chanceler do país germânico teve de compor uma aliança com a extrema-direita para conseguir se manter no poder.

Recentemente, ocorreu uma manifestação fascista contra os imigrantes em Chemnitz. O clima era tão agressivo que os manifestantes fascistas, portanto bandeiras nacionais, acabaram machucando até dois policiais que estavam tentando segurá-los, além de mais de 20 pessoas que estavam se opondo à política reacionária por eles levantada.

Os fascistas estavam em número maior que os anti-fascistas, segundo a imprensa. Porém, deve-se dizer que a política dos que estavam combatendo os reacionários está correta. É preciso enfrentar o fascismo nas ruas. Neste sentido, é preciso entender que apesar das declarações que visam encobrir sua cumplicidade, o governo Merkel é um dos principais responsáveis pela ascensão do fascismo alemão. Por isso, as esperanças devem colocadas na mobilização popular contra eles, que já aconteceu, mas que deve ser ampliada até acuar os fascistas de vez.