Privatização do futebol
Utilizando da falta de dinheiro do clube, capitalistas querem se apoderar do Botafogo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Botafogo x CSA no Estadio Nilton Santos. 21 de Outubro de 2019, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Foto: Vitor Silva/Botafogo.

Imagem protegida pela Lei do Direito Autoral Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998.
 Botafogo x Goias no Estadio Nilton Santos. 09 de Outubro de 2019, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Foto: Vitor Silva/Botafogo. 
Imagem protegida pela Lei do Direito Autoral Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998.
Torcida do Botafogo |

Um dos mais tradicionais clubes de futebol brasileiro, o Botafogo, vive hoje uma situação ruim no campeonato brasileiro. Faltando apenas oito jogos para o fim da competição, o clube carioca está a dois pontos da zona de rebaixamento, sendo o segundo pior time na segunda fase do brasileirão. O salário atrasado dos jogadores é o principal fator de crise na campanha da equipe. Os problemas do “Fogão”, como é carinhosamente chamado não se restringem apenas ao futebol. Devido a crise financeira, o clube teve que abandonar o time de vôlei, desistindo de disputar a superliga. No basquete, o clube chegou a ser multado pela Confederação Nacional de Basquete em R$10 mil por jogo, por ter apresentado menos de dez atletas relacionados por jogo, sendo dez o número mínimo determinado pela Confederação.

A crise financeira do clube, no entanto, está sendo utilizada como pretexto para que o Botafogo adote o chamado modelo “clube-empresa” de administração. Apontado por vários setores, como a imprensa capitalista, empresários do ramo esportivo, como a “salvação” do futebol brasileiro, o modelo de “clube-empresa” nada mais faz do que abre caminho para completa privatização do futebol nacional, entregando-o nas mãos dos grandes monopólios capitalistas. A política aqui é a mesma que os capitalistas utilizam para tomar de assalto as empresas nacionais, como a Petrobrás, entre outras, utilizam a suposta “crise financeira”, a qual é na maior parte dos casos artificialmente criada por eles mesmos, para então se apropriar do patrimônio nacional.

Nesse sentido,o futebol brasileiro está sob intenso ataque. O projeto “clube-empresa” já tramita no senado federal, e tudo leva a crer que será aprovado. Esta é mais uma das consequências do golpe de estado, há anos que os grandes capitalistas estão de olho no controle absoluto do futebol brasileiro, após o golpe de 2016 e as eleições fraudulentas do último ano, eles tem carta branca para concretizar seus objetivos.

A privatização dos clubes e a entrega da administração destes para os capitalistas não resolverá a crise financeira dos mesmos, muito pelo contrário. Os clubes se tornarão objetos de especulação financeira, se aprofundará a perseguição aos torcedores, às torcidas organizadas, além da elevação do custo dos ingressos.

A única forma de resolver a crise financeira dos clubes é colocando-os nas mãos daqueles tem interesse na preservação do futebol, do patrimônio nacional, ou seja, os próprios torcedores, funcionários e jogadores. É preciso mobilizar as torcidas e os atletas contra a imposição do “clube-empresa” na defesa do futebol popular.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas