Crise do bolsonarismo, militares pedem paralisação das atividades para reorganizar o governo

bolsonaro9

Da redação – Três Generais que compõe o governo Bolsonaro criticaram a ineficiência na articulação política realizada pelos filhos do presidente. Carlos Bolsonaro, particularmente, trabalha para o pai como uma forma de secretário em uma função diplomática com os outros grupos políticos. É um componente da “velha-guarda” bolsonarista.

As críticas foram feitas por Generais-ministros chaves de Bolsonaro; Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), Fernando Azevedo (Defesa) e Carlos Alberto dos Santos Cruz (Secretaria de Governo), que teriam pedido um “freio de arrumação”, isto é, uma paralisação temporária das atividades do governo para reorganizar o trabalho.

A semana começou com uma grande entre o governo e o antigo secretário-geral da Presidência, Gustavo Bebianno (vice-presidente do PSL), que saiu do governo em meio a denúncias de corrupção durante o processo eleitoral. Assumiu no lugar de Bebianno, o General Floriano Peixoto, levando o governo a ter mais ministros militares que os próprios governos da Ditadura Militar.

Ao que parece, está tendo uma ofensiva do imperialismo contra a “velha-guarda” do Bolsonarismo. É o caso de Bebianno, que teve de sair do governo, mas também dos filhos de Jair Bolsonaro criticados pelos militares. Para o imperialismo, o grupo bolsonarista é muito desorganizado e difícil de controlar.

A própria vitória de Bolsonaro nas eleições foi improvisada. O imperialismo viu que com seus outros candidatos seria difícil de ganhar, até mesmo com a maior fraude organizada. Paulo Guedes e os outros neoliberais que presidem áreas importantes da economia foram uma imposição do imperialismo, sem a qual o governo não poderia governar. Por outro lado, a vice-presidência de Mourão e todos esses membros da alta cúpula também foram.

Para o imperialismo, os Generais brasileiros são muito mais confiáveis politicamente que este grupos do baixo clero da política burguesa, de onde surgiu o bolsonarismo. Por isso, estão minando os ministros da “velha-guarda”. Algo que não é novo na história. Vale lembrar que toda a “velha-guarda” do nazismo e do fascismo italiano foram colocadas de lado pela imposição dos grandes capitalistas.