Conmebol
Conmebol oferece direitos de transmissão, na TV aberta, a todas grandes emissoras do país. Entidade tem pressa, pois competição será retomada em setembro.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
RS - FUTEBOL/CONMEBOL LIBERTADORES 2020 /GREMIO X INTERNACIONAL - ESPORTES - Lance da partida entre Gremio e Internacional disputada na noite desta quinta-feira, na Arena do Gremio, valida pela Conmebol Libertadores 2020. FOTO: LUCAS UEBEL/GREMIO FBPA
Lance do Grenal 424 pela Libertadores de 2020. | Foto: LUCAS UEBEL/GREMIO FBPA

A Conmebol ofereceu a todas as redes de televisão aberta do Brasil os direitos de transmissão da Copa Libertadores da América e da Copa Sulamericana. Isto se deu após a Rede Globo, dona dos direitos, ter rescindido seu contrato de transmissão com a entidade máxima do futebol sulamericano.

Record, Bandeirantes, SBT, RedeTV! e a própria Rede Globo foram sondadas e a Conmebol espera que os direitos sejam divididos entre duas emissoras de modo a totalizar um contrato tão grande quanto o anterior com a Globo.

Outro ponto importante é a rapidez com que a organizadora da Libertadores espera fechar os contratos. Para isto, até dispensou licitação, preferindo uma negociação mais direta, reduzindo o tempo necessário. A competição está marcada para retornar em setembro e a entidade não quer que sua principal competição fique sem transmissão na televisão aberta.

Um ponto interessante é que a crise capitalista, acentuada pela pandemia, fez com que a Globo perdesse sua capacidade de manter o monopólio de transmissões do futebol. Entretanto, isso não significa que a Globo está acabada, mas em crise explícita. Ainda assim, continua sendo a emissora mais poderosa do Brasil.

É difícil especular o que acontecerá com o contrato de transmissão da Libertadores. Pode ocorrer, até mesmo, a Globo conseguir retomar o monopólio, porém gastando bem menos. Basta que as outras emissoras não consigam se estruturar a tempo para adquirir os direitos de transmissão. Como o prazo estabelecido pela Conmebol é bem curto, não é possível descartar esta situação.

Cabe lembrar que contratos de transmissão não são apenas “quem paga mais, leva”, mas também exigem que a emissora atenda a certos critérios como capacidade de transmissão, padrões de qualidade, etc. E é nesse ponto que monopólios, como a Globo, fazem seu poder valer. A infraestrutura da emissora, fruto do monopólio de décadas sobre as transmissões de TV aberta no Brasil, permitiu que esta atenda a estes requisitos. Tudo dependerá de como forem negociados os direitos de transmissão e as exigências da Conmebol.

Outro ponto de como os monopólios distorcem a lógica capitalista é o fato de que a Conmebol pode se ver forçada a aceitar qualquer coisa se não conseguir ofertas que atendam minimamente a seus interesses. Isto se dá, mais uma vez, pelo fato da Rede Globo não ter permitido o crescimento das demais emissoras.

A situação envolvendo os direitos de transmissão da Libertadores são a prova definitiva de que para o futebol continuar existindo como uma manifestação popular, o capitalismo deve ser derrotado. Monopólios, como a Globo, acentuam as crises e podem gerar situações como esta, onde as massas podem ficar sem poder assistir à mais importante competição de clubes das Américas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas