Fora Bolsonaro
O número de jovens que não trabalham e nem estudam no Brasil chegou ao maior índice da série histórica no último levantamento.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
desemprego
Fila de desempregados no Anhangabaú. Foto: Edilson Dantas / Agência O Globo |

Uma pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nessa quarta-feira, dia 6 de novembro, deu mais um dado da dimensão da crise econômica a que está submetido o país desde o golpe de Estado dado pela direita em 2016. Ela trata dos jovens que não trabalham e não estudam – os chamados “nem-nem”.

A pesquisa retrata os números do ano de 2018 e está na Síntese de Indicadores Sociais (SIS) 2019, do IBGE. Segundo ela, a porcentagem de jovens entre 15 e 29 anos que não trabalham e nem estudam é de 23%, algo em torno de 10,9 milhões de pessoas. Esse é o maior índice registrado desde que se começou a avaliar. Um sinal de que a crise atual é sem precedentes.

Um olhar mais detalhado dos números mostra que entre os jovens de 18 a 24 anos, a porcentagem dos que estão desempregados e sem estudar é de 27,9% e, entre os e 25 a 29 anos, é de 25,9%. A análise do IBGE diz que essa situação está relacionada à interrupção dos estudos desses jovens. Dos jovens de 18 a 24 anos, 46,6% não haviam concluído o ensino fundamental e, entre os de 25 e 29 anos, a porcentagem é de 44,1% entre os que interromperam essa etapa dos estudos.

Outro fator que foi analisado pela pesquisa é o gênero dos jovens e a relação disso com a busca por um emprego. Entre os homens que não trabalham e nem estudam, 51,5% estavam buscando trabalho, enquanto que entre as mulheres, 67,7% não estavam procurando emprego. As razões apresentadas para essa situação são que as mulheres, especialmente nas classes mais baixas, geralmente se tornam mães ou são relegadas aos afazeres domésticos.

O total de jovens que não estão estudando, trabalhando e nem procurando trabalho era de 2,4 milhões, segundo a pesquisa. 57,4% deles estão em desalento – desistiram de ingressar na força de trabalho. Os motivos alegados são falta de trabalho na localidade, não encontrar emprego considerado adequado e falta de experiência e de qualificação.

Os números apresentados pela pesquisa mostram que o governo golpista e o imperialismo estão provocando no Brasil uma situação de desespero na parcela mais jovem da população. Muitos deixam de ir à escola para procurar emprego para auxiliar na renda familiar e, quando vão fazê-lo, não conseguem encontrar trabalho. Essa situação tem piorado cada vez mais e isso pode gerar na classe trabalhadora uma revolta generalizada contra o regime. O importante é que essa revolta seja conduzida para uma política correta: Fora Bolsonaro e Eleições Gerais com Lula candidato!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas