Golpe na América do Sul
Crise no regime político equatoriano se acentua a pouco mais de um mês das eleições presidenciais
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Sr._Presidente_Constitucional_de_la_República_del_Ecuador,_Ec._Rafael_Correa_(4882266692)
Ex-presidente do Equador no exílio, Rafael Corrêa | Foto: Reprodução".
Quito, 21 dez (Prensa Latina) A tensão entre os principais órgãos eleitorais do Equador aumentou hoje com a apresentação de um recurso, pelo Conselho Nacional Eleitoral (CNE), contra o juiz do Tribunal Contencioso Eleitoral (TCE) Angel Torres.
Segundo comunicado oficial, ‘o argumento para requerer a substituição do juiz Torres baseia-se em declarações que fez em diversos meios de comunicação e na necessidade de um processo imparcial e transparente’.

O recurso visa garantir a neutralidade das ações do juiz, tendo em vista que a referida autoridade ouviu o processo 080-2020-TCE como relator, relativo à restituição da personalidade jurídica do movimento de Justiça Social e à reparação de um suposto violação dos direitos daquela organização política, especificou a CNE.

Por sua vez, o TCE remeteu processo à Procuradoria-Geral do Estado contra a presidente da CNE, Diana Atamaint; o vice-presidente, Enrique Pita; e aos conselheiros José Cabrera e Luis Verdesoto pelas indiciações de responsabilidade penal por descumprimento de sentença do órgão contencioso.

Após a CNE ter rejeitado o registo de candidatos à Justiça Social, o TCE decidiu aceitar a participação da força política nas eleições, o que gerou reclamações entre as duas instâncias.

As divergências mantêm indefinida a lista das chapas presidenciáveis para as eleições de 2021 e, portanto, o boletim eleitoral para impressão não está firmado.

Os problemas existentes não dizem respeito apenas às autoridades eleitorais, às organizações políticas e aos órgãos de apoio ao processo eleitoral, mas também à população e, consequentemente, a percentagem de eleitores desinteressados em ir às urnas parece estar a aumentar.

Em meio a esta situação, muitos consideram a votação como um processo crucial para o futuro do Equador, atingido por uma forte crise econômica, agravada pelo impacto da pandemia Covid-19, que deixou um acumulado de 206.257 infecções.

Presidente e vice-presidente da nação, membros da Assembleia Nacional e parlamentares andinos são as dignidades a serem eleitos em 48 dias e que iniciarão sua gestão a partir do mês de maio, por um período de quatro anos.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas