Menu da Rede

É preciso um dia nacional de paralisação das categorias

Mais uma vez

CPI da Covid transforma-se em chanchada

A CPI da pandemia tinha por objetivo desgastar o governo e levantar a bola da direita e ao mesmo tempo iludir a esquerda, até agora só conseguiu iludir a esquerda

O senador reacionário Renan Calheiros, tido como respeitável por setores da esquema no momento – Foto: © Edilson Rodrigues/Agência Senado

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da pandemia, que teria por missão avaliar a atividade do governo durante a pandemia, até o presente momento, foi do nada a lugar algum. Todos os holofotes da política nacional, inclusive da esquerda, voltaram-se para ela, tão logo foi anunciada. O que se passou até o momento foi uma verdadeira chanchada. A expectativa da esquerda era que a CPI se tornasse uma arma contra o governo Bolsonaro, o objetivo da direita era debilitar a imagem do governo, fazendo-o cair abaixo dos 20% das intenções de voto e apresentar a si mesma como terceira via palatável. Uma forma de acumular forças para o chamado “centro”, através de um “antibolsonarismo” moderado e quem sabe até levantar um nome competitivo para as próximas eleições. Até aqui, a expectativa de uns e os objetivos dos outros tem sido constantemente frustrados.

A CPI já ouviu ex-ministros do governo Bolsonaro, além de outras pessoas envolvidas de alguma maneira com ações do governo. Os ex-ministros da saúde, Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich, de quem se esperava a revelação de grandes crimes do governo, já que são aliados e peças da direita, frustraram a todos. Seus depoimentos não foram além do que todo mundo sabe, que Bolsonaro receitou e receita hoje abertamente a cloroquina.

Ainda outros depoimentos acabaram na completa galhofa, o ex-secretário de Comunicação do Palácio do Planalto, Fabio Wajngarten, mentiu na CPI, o que teoricamente seria crime em flagrante, senadores ameaçaram prendê-lo, o que não foi feito, para terminar o filho do presidente, o senador Flávio Bolsonaro, que não faz parte da comissão, compareceu a sessão e chamou o relator, Renan Calheiros de vagabundo, que devolveu o gracejo, chamando-o de miliciano.

Também compareceu à CPI o ex-ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. Os questionamentos se prenderam à questão da política do Itamaraty contra a China e a questão das vacinas. O ministro, conhecidamente uma pessoa intelectualmente limitada, ludibriou os senadores e saiu pela tangente e afirmou que nunca fez gesto contra a China e que se esforçou para conseguir vacinas. Ficou tudo por isso mesmo.

Diante da frustração, o governo até aqui não sofreu quase arranhão nenhum, todas as esperanças se concentraram no depoimento do General Eduardo Pazuello, ex-ministro da saúde que mais tempo passou no comando da pasta durante a pandemia. As Forças Armadas, no entanto, emitiram sinais silenciosos para coibir um tanto o ímpeto da CPI, que pode atingir a imagem da instituição. O presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM) telefonou para o Comandante do Exército, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, um dia antes do depoimento do general Pazuello para dar uma satisfação à instituição, segundo ele não será o exército que estará depondo, mas um ex-ministro.

Pazuello, ainda conseguiu um Habeas Corpus do STF que lhe permite ficar em silêncio caso ache que possa se incriminar, pois já é réu em processo que aborda sua responsabilidade na crise da pandemia em Manaus. Mesmo assim respondeu os questionamentos no primeiro, de dois dias, de oitivas. Afirmou que o Ministério da Saúde nunca recomendou cloroquina e sim que só um médico poderia recomendar, que fez tudo dentro dos protocolos e conformes, informou que as condições do contrato com a Pfizer em 2020 eram assustadoras, não tem culpa pelas mortes, mas é resultado é estrutura do sistema de saúde, cumpriu a missão e deixou o governo.

Um ponto que se destaca é a atuação vergonhosa da esquerda, que não conseguem retirar absolutamente nada das testemunhas presentes, o tom é geralmente amistoso, as mentiras e impropérios ditos passam batido, a CPI para ter entrado ritmo mecânico típico, no final termina tudo na famosa pizza. Igualmente são os parlamentares de direita, que temem arranhar o governo, nada é investigado, ninguém é culpado e a impressão que dá é ninguém sabe o que estão inquirindo.

Isso se relaciona a investida que Bolsonaro fez no início da CPI, que iniciou os trabalhos em 27 de abril, no dia 1º de maio. Bolsonaro chamou sua base a sair às ruas pedindo intervenção militar, endureceu o discurso e voltou a ameaçar o país com um golpe de força, supostamente contra a direita, por meio do combate a política de “lockdown” dos governadores da direita. Sem dúvida, a direita sentiu o impacto e seu ímpeto de debilitar a imagem do governo foi bastante contido, no entanto, demonstram que não desistiram de tentar criar uma terceira via. Para isso, no entanto, Bolsonaro tem que cair abaixo dos 20% de intenções de voto, condição necessária para abrir espaço para um candidato de fora, uma vez que a esquerda, com o ex-presidente Lula domina as intenções de voto e mesmo que tirassem o ex-presidente Lula do páreo por uma manobra causaram instabilidade no país e ainda não bateram Bolsonaro ou a esquerda nas urnas.

Assim, a CPI é natimorta, somente um grande acontecimento pode fazê-la reviver e cumprir algum papel na luta política, sem isso, como o normal de todas as CPIs, terminará como o esperado por quem não se seja iludir pelo desejo, mas se concentra na realidade, ou seja, em nada.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.