Vacina só em 2021
Problemas de logísticas inviabilizariam o envio das vacinas nos locais mais afetados. Como já ficou demonstrado, a prioridade seria para abastecer os países imperialistas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
23_03_2020_Drive-Thru-de-Vacinao_Foto_Jefferson-Peixoto_Secom_Pms-12
Vacinação na cidade de Salvador | Fotos Públlicas. Jefferson Peixoto/Secom

Segundo informação da OMS, a previsão para que seja disponibilizada uma vacina efetiva contra o novo coronavírus só estaria disponível a partir de 2021. Mesmo com o avanço da pandemia, ainda não há um meio efetivo de combate ao coronavírus. Além das dificuldades, por se tratar de um vírus recém-descoberto, a gana da indústria farmacêutica longe de ser um facilitador para o desenvolvimento da vacina, deixa claro o quão falido está o sistema capitalista global. Em uma sociedade minimamente civilizada, o correto seria reunir os maiores especialistas para contribuírem no desenvolvimento da vacina. Diferente disso, o que se percebe é que a indústria farmacêutica diz que os canais de distribuição de seus produtos são insuficientes, ou têm problemas para dar conta de entregar uma vacina a nível mundial. Não há canais de distribuição porque não dá lucro; não é do interesse da indústria farmacêutica tratar e curar doentes, mas lucrar com a miséria alheia.

Importante ressaltar que a vacina do Ebola, vírus que assolou a África há alguns anos, demorou 5 anos para ser desenvolvida. Tal dificuldade advém do caráter predatório e de exploração, como trabalham as indústrias farmacêuticas. Além da falta de previsibilidade de quando surgirá uma vacina que seja efetiva, há também problemas de logística que dificultam o transporte destes materiais. Diante de uma opção de escolha, não é difícil imaginar quem serão os países que primeiramente terão acesso as vacinas. Os EUA já se anteciparam e compraram 100 milhões de doses em 2020 dos laboratórios Pfizer e BioNTech. Não apenas em relação as vacinas, mas também sobre os testes e tratamentos mais adequados, os países imperialistas são aqueles que tem mais acesso e por consequência, possibilidade de cura dos pacientes.

A crise capitalista contribui também para a dificuldade no transporte das vacinas. A infraestrutura relacionada ao serviço de logística também é afetada pela crise, além dos interesses conflitantes entre os setores que tentam lucrar com a pandemia. Segundo Julian Sutch, chefe da divisão farmacêutica da Emirates SkyCargo, um cargueiro Boeing 777 pode transportar um milhão de doses individuais de uma vacina. Neste caso, para proteger a população mundial seriam necessários aproximadamente 8.000 aviões de carga. Diante das dificuldades de transporte e armazenamento, uma vacina para ser utilizada em países economicamente mais atrasados mostra-se inviável.

Diante deste cenário, é preciso mobilizar os trabalhadores para exigir a imediata derrubada do governo Bolsonaro e dos governadores fascistas. A política levada a cabo por estes representantes da burguesia não é apenas confusa, mas é genocida. Acreditar que uma vacina será desenvolvida a tempo para ser distribuída no Brasil, ou em qualquer país da América Latina, não é um pensamento razoável.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas