Governo dos patrões
Sem plano, o Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda (BEm) encerra sua vigência nesta quinta(31), trabalhadores e empresas devem retomar a rotina normal em 2021.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
34161520822_697b3c0b20_h
Trabalhadores na fila para retirada do auxílio desemprego | Foto: Jeso Carneiro

O Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda (BEm), foi criado para amparar trabalhadores que formalizaram, durante o período da pandemia de COVID-19, acordos para suspensão de contrato de trabalho ou redução proporcional de jornada de trabalho, nos termos criados pela Lei nº 14.020, de 6 de julho de 2020 e Decreto nº 10.517, de 13 de outubro de 2020.

O benefício foi criado no âmbito das ações do Programa Emergencial de manutenção do Emprego e Renda, instituído pelas Medidas Provisórias n° 936 e 927, uma das ações integrantes da estratégia do governo federal para enfrentar os efeitos da crise causada pela pandemia.

Durante a vigência do benefício, o valor pago ao trabalhador tinha como base as informações salariais do trabalhador nos últimos três meses e correspondia a um percentual do Seguro-Desemprego que o trabalhador receberia se fosse demitido. Na prática foram pagos valores entre R$261,25 e R$1.813,03, variando conforme o acordo realizado entre o trabalhador e o empregador e o percentual de redução salarial negociado.

O benefício e outras ações do Programa Emergencial de manutenção do Emprego e Renda  entraram em vigor em abril deste ano, e terminam nesta quinta-feira (31), com a caducidade das Medidas Provisórias que autorizaram as ações.

As empresas devem encerrar os acordos feitos com os funcionários, seja de redução de jornada e salário ou suspensão dos contratos e  voltar à jornada normal a partir do dia 1º de janeiro, a não ser que o programa seja prorrogado pelo governo federal.

Isto porque pela lei trabalhista, a suspensão ou redução de jornada e de salário não são permitidas, apenas foi permitido graças à situação de calamidade pública causada pela pandemia.

Advogados trabalhistas observam que as cláusulas legais que garantiam a estabilidade de emprego aos trabalhadores que tiveram redução salarial ou suspensão do contrato de trabalho, por igual período a suspensão/redução, ainda são válidas e devem ser cumpridas pelos empregadores. Se houver dispensa sem justa causa durante esse período legal de estabilidade, o empregador responderá por indenização que varia de 50% a 100% do salário do empregado.

Esse é mais um duro golpe na vida da classe trabalhadora brasileira, que vê sua sobrevivência ameaçada, seja pela falta de recursos para sua subsistência, seja pela ameaça da COVID-19, que nunca foi controlada em nosso país e agora apresenta níveis crescentes de mortalidade e contaminação.

Para aprovar as medidas, o governo de Jair Messias Bolsonaro negociou uma série de acordos políticos, dentre eles o apoio a precedência do negociado entre trabalhador e empregador sobre a legislação trabalhista. Sob a justificativa de preservar 10 milhões de empregos, o governo federal na verdade promoveu uma política que possibilitou o enxugamento dos custos trabalhistas das empresas, enquanto a condição geral de vida do trabalhador piorava com níveis crescentes de desemprego e inflação.

Como golpe final, após todo sofrimento imposto pela política proposital de dificultar toda e qualquer medida de enfrentamento a pandemia, o governo fascista e genocida deixou todas as medidas aprovadas durante o ano de 2020 simplesmente caducarem sem apresentar nenhum plano para enfrentamento da crise que não foi debelada.

Em 2021, sem planos de vacinação, sem auxílio emergencial e com uma crise econômica que só se aprofunda, o Brasil promete estar muito pior que 2020 para a classe trabalhadora. O governo federal e os golpistas que o apoiam deixaram a população morrer a míngua. A organização da classe trabalhadora para expulsar toda corja bolsonarista e golpista das esferas do Poder público é urgente! Devemos lutar para que o governo fascista não ceife ainda mais vidas!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas