Pelo fim da PM
Corregedoria da polícia militar contradiz SSP sobre viatura fazer ronda e abordar pessoas em um bar na periferia de Junidiai no exato momento em que jovem negro desapareceu
carlos-eduardo-dos-santos-nascimento-20-desaparecido-apos-abordagem-policial-em-jundiai-sp-1577975649437-v2-450x450
Carlos Eduardo dos Santos Nascimento. |

No dia 27 de dezembro de 2019, o jovem Carlos Eduardo dos Santos Nascimento confraternizava com mais quatro amigos em um bar na periferia de Jundiaí, no interior de São Paulo, quando uma viatura da polícia militar abordou os jovens e os algemou. Carlos foi o único levado pela dupla de policiais, sendo também o único negro do grupo. Nunca mais se teve notícia do jovem.

A Secretaria da Segurança Pública (SSP) do estado de São Paulo, que no governo Dória é comandada por  João Camilo Pires de Campos, negou o conhecimento de que algum policial estivesse no local da abordagem no momento do sumiço de Carlos Eduardo. No entanto, a Corregedoria da Polícia Militar identificou uma viatura rondando a região no momento do desaparecimento do jovem, contradizendo o que a SSP havia antes informado.

A corregedoria também informou que houve uma abordagem em um bar e alguns abordados foram citados em um relatório. Agora o órgão diz que procurará os citados para mais informações e tentar encontrar o paradeiro do garoto.

Não devemos ter nenhuma esperança de que algum desses órgãos irá se importar em investigar o paradeiro do rapaz. A família do garoto ficou do dia 27 até o dia 31 o procurando por conta própria, sem o auxílio de nenhum órgão do estado, mesmo com a família do garoto tendo feito um boletim de ocorrência sobre seu sumiço. Os amigos de Carlos Eduardo não quiseram acompanhar a família até a delegacia por medo de represálias da PM.

Carlos Eduardo fazia bicos como pintor e tinha o sonho de estudar na universidade em que seu pai trabalha como segurança. Ainda estava escolhendo o curso que iria estudar. Trata-se da própria política de extermínio da população pobre no Brasil, em especial a população negra. O fato de a SSP ter dito que não havia uma ronda no local, por si só, já demonstra a tentativa de encobrir a PM no caso.

Somente o fim da Polícia Militar é que vai garantir à população pobre sua própria segurança, pois é a PM quem mais persegue e mata os trabalhadores no Brasil.

 

Relacionadas