Mais contaminação na Petrobras
O contágio nos trabalhadores da Petrobras vem se espalhando como rastilho de pólvora, sem nenhum tipo de controle
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
plataforma petróleo CE
Plataforma Petrobrás | Foto: Reprodução

Ainda nesta semana este Diário noticiou o aumento do contágio nas plataformas da Petrobras e, especificamente em relação à P-50, no campo de Albacora Leste, na Bacia de Campos, quando 13 trabalhadores, dentre efetivos e terceirizado desembarcaram no continente após testarem positivo para o novo coronavírus. E já afirmávamos, naquela ocasião, que os números deveriam ser muito maiores.

Bem… o que dissemos agora se confirmou. Dados do Sindpetr-Norte Fluminense noticia que 42 trabalhadores que estavam na plataforma P-50 testaram positivo para o Covid-19, entre os dias 30 de julho a 05 de agosto.

Para a Federação Única dos Petroleiros (Fui) “a alta contaminação na P-50 confirma as falhas nos protocolos de saúde e segurança para a Covid-19 adotados pela Petrobras para os trabalhadores que atuam nas plataformas marítimas e unidades terrestres da companhia” (site FUP 06/07/2020)

O governo genocida de Bolsonaro, porta voz  dos capitalistas nacionais e internacionais, decretou um verdadeiro morticínio no país pelo Covid-19, por conta da sua política de favorecimento à burguesia, onde já matou mais de 100 mil pessoas (dados oficiais) com mais de 3 milhões de infectados. São mais de mil e duzentas mortes todos os dias.

O contágio nos trabalhadores da Petrobras vem se espalhando como rastilho de pólvora, sem nenhum tipo de controle, colocando em risco os trabalhadores e suas famílias. A gestão da Petrobras se recusa a atender as medidas de prevenção cobradas pela FUP, principalmente, a testagem em massa de todos petroleiros, inclusive os assintomáticos.

Num momento de risco elevado, a empresa continua ignorando as condições precárias dos petroleiros e mais ainda dos terceirizados, cuja exposição à contaminação pelo coronavírus é muito maior. O aumento exponencial do contágio do coronavírus na Petrobras está diretamente associada ao desmonte da empresa, com vista à sua privatização.

Há um aumento sistemático da contaminação na categoria, praticamente todos os dias estão sendo noticiadas novas infecções nas diversas dependências da empresa. Falta tudo nas dependências: álcool gel; mascaras, (o próprio trabalhador é obrigado a levar a sua).

As medidas de proteção devem ser tratadas com a devida urgência, já que se trata de um ambiente extremamente propício para a propagação da doença. Para evitar que haja mais mortes pela contaminação é necessário organizar a greve da categoria enquanto persistir a mínima possibilidade de contaminação no ambiente de trabalho. Somente a luta da categoria, através dos seus métodos tradicionais da classe operária, poderá conter a política genocida da direção da empresa. Nesse momento só a greve nacional de toda a categoria será capaz de deter a sanha assassina do governo Bolsonaro. Se os trabalhadores podem trabalhar também podem fazer greve e se manifestar.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas