Coreia do Norte, o país onde os mortos ressuscitam

59111f655a3f5984

Mais um alto oficial assassinado pela ditadura cruel e sanguinária de Kim Jong Un ressuscitou na obscura Coreia do Norte. Desta vez, o diplomata Kim Hyok Chol, que havia sido executado conforme notícias do dia 31, voltou à vida apenas dois dias depois!

Chol é um dos líderes norte-coreanos dos diálogos estabelecidos com o governo dos Estados Unidos, que culminaram com a cúpula em Hanói (Vietnã) em fevereiro. O jornal sul-coreano Chosun Ilbo havia “informado” da execução do norte-coreano que teria ocorrido em março, citando, como sempre, fontes não identificadas ou de mínima reputação. Logo em seguida, também como sempre, a imprensa capitalista internacional repercutiu a informação como se fosse verdadeira, sem nenhum tipo de ceticismo. No entanto, diante da bizarrice (mais uma) do caso, a CNN foi obrigada a desmentir o ocorrido.

Outro negociador norte-coreano da cúpula com os EUA, Kim Yong Chol, que teria sido expurgado também porque o governo de Pyongyang estaria insatisfeito com as conversas, apareceu no último domingo (02) em um evento artístico, com o próprio Kim Jong Un. As “informações” do suposto expurgo também foram veiculadas primeiramente pelo Chosun Ilbo.

Esse é mais um caso de milagre de Kim Jong Un, o qual muitos fiéis mundo afora já veem como possível novo santo, a ser canonizado pelo papa quando morrer (caso não ressuscite também). Veja alguns outros casos de ressurreição na Coreia do Norte, esta terra que, apesar de muitos acreditarem que a religião é proibida, tem cristãos, budistas e outros religiosos. E que é o lugar do mundo onde mais se realiza o milagre da ressurreição.

Fantasma de ex de Kim em Seul?

O mesmo Chosun Ilbo divulgou, em 2013, a suposta execução de Hyon Song Wil, artista norte-coreana que teria sido ex-namorada de Kim Jong Un. Por ter vendido vídeos pornográficos junto com outras artistas, ela teria sido executada publicamente por um pelotão de fuzilamento, por ordens do próprio presidente norte-coreano (sim, ele é presidente!). No entanto, pouco depois, ela apareceu “vivinha da Silva” em Seul (na própria Coreia do Sul), por dois dias. Ou será que era um fantasma? Além disso, ela também apareceu na TV norte-coreana.

Ministro fuzilado por uma bateria antiaérea

Em 2015, o ministro da Defesa da Coreia do Norte, Hyon Yong Chol, cochilou durante um evento oficial de Kim Jong Un. A punição? Fuzilamento por uma bateria antiaérea! Afinal, Kim ficou furioso pela falta de respeito… O que é mais ridículo, o motivo da punição ou a própria punição? Mas a imprensa internacional, novamente propagando o que foi divulgado pelos sul-coreanos, não questionou minimamente a bizarrice da notícia e o caso foi veiculado até mesmo no Jornal Nacional. Só que, mais uma vez, o ocorrido foi completamente desmentido pouco tempo depois, quando o ministro apareceu na TV estatal norte-coreana.

Titio aos cães?

A Bíblia diz que Daniel foi jogado na cova dos leões. Como a Coreia do Norte é um local onde passagens do “texto sagrado” costumam, aparentemente, se tornar realidade, algo parecido ocorreu com um outro oficial. Jang Song Thaek, tio de Kim Jong Un, foi jogado a um bando de cães para ser morto em 2013. Seria a Coreia do Norte um local sagrado, escolhido por Deus para ser o cenário real das passagens da Bíblia? Ou seriam os agentes da inteligência sul-coreana um tanto criativos? Porque essa história foi, justamente, disseminada pela inteligência da Coreia do Sul – país que está em guerra, de fato, até hoje com o Norte. Mas a própria imprensa internacional, que havia noticiado o caso na época, hoje percebe o ridículo e reconhece que a versão é falsificada.

General executado aparece em congresso do partido

Em fevereiro de 2016, o chefe do Estado-Maior do exército, general Ri Yong Gil, foi dado como morto, executado por “proselitismo, abuso de autoridade e corrupção”. A “notícia”, como sempre, foi gerada a partir de “informações” de “especialistas”. No caso, uma declaração de um oficial do governo sul-coreano, fornecida de maneira anônima, para a CNN. Entretanto, em maio, ele foi destaque na imprensa norte-coreana, após a conclusão do congresso do Partido do Trabalho da Coreia. No jornal oficial do partido, o Rodong Sinmun, Ri apareceu na lista atualizada de membros do Birô Político do Comitê Central do PTC.

Enfim, esses tipos de “notícias” sobre a Coreia do Norte seriam vistos com total incredulidade se o alvo fosse algum país cujo governo não está em contradição com o imperialismo. Quem “informasse” sobre esse tipo de execuções em Israel, Colômbia ou na Espanha seria totalmente ridicularizado. Mas como a Coreia do Norte é uma “ditadura”, um regime completamente “fechado”, “isolado” do mundo – segundo a propaganda imperialista – esse tipo de propaganda é facilmente veiculada e os jornais não têm vergonha de reproduzir mentiras desse tipo.