Aqui não se fala mal do futebol brasileiro

Anterior
Próximo

A carta dos jogadores

Copa América: mais uma vez a esquerda fica a reboque da direita

Esquerda pequeno-burguesa está mais confusa do que os próprios jogadores e acaba servindo como instrumento de propaganda da direita e do imperialismo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Copa América começa dia 13 – Arquivo

O caso da polêmica em torna da realização da Copa América no Brasil revelou do começo ao fim o quanto a esquerda pequeno-burguesa está programada para seguir as orientações da burguesia. Vejamos passo a passo tudo o que aconteceu.

A burguesia tenta retomar o controle da situação

Bolsonaro jogou a isca da Copa América no Brasil dois dias após as enormes mobilizações de rua contra seu governo. A ideia era procurar um reagrupamento de forças, já que as manifestações colocaram o governo na parede.

Mas não foi apenas Bolsonaro o prejudicado pelas manifestações. A direita golpista tradicional foi a maior prejudicada. Enquanto a esquerda esteve em casa, a oposição ao governo Bolsonaro aparecia liderada pelos políticos da direita tradicional em busca de um nome de confiança para as eleições.

Quando o povo, liderado pelos partidos e organizações da esquerda, saiu à rua, ficou claro que o único movimento de oposição a Bolsonaro é da esquerda.

A Copa América veio como uma política distracionista da direita para retomar o controle político da situação por meio de uma palavra de ordem impopular e confusa. A burguesia não quer saber de vacinação em massa, combate à pandemia,  auxílio emergencial para o povo e a queda imediata de Bolsonaro. A burguesia quer um nome tão fascista quanto Bolsonaro para 2022, mas que esteja sob seu total controle.

A rede Globo: preocupação com a pandemia ou disputa econômica?

A Globo foi a primeira que veio a público para iniciar sua campanha contra a Copa América. A emissora é a porta voz oficial da direita golpista e do imperialismo no País. Colocou seus jornalistas esportivos para falar contra o torneio e fazer demagogia com a pandemia.

O interesse da Globo, nesse caso, não era apenas político, conforme explicado no ponto acima. A emissora perdeu o direito de transmissão da Copa América para o SBT, numa jogada política entre Bolsonaro e Sílvio Santos, sogro do ministro das Comunicações, Fábio Farias. Assim, a rede Globo uniu o útil ao agradável na campanha contra a Copa América.

O interesse dos clubes europeus imperialistas

Há uma propaganda, que não é de hoje, contra as seleções, em particular a Seleção Brasileira. Por trás disso, há um interesse econômico dos clubes europeus, dominados pelas grandes empresas imperialistas, que não querem ceder seus milionários jogadores para as seleções. Há um esforço por acabar ao máximo com os torneios de entre as seleções nacionais. A Copa América é um torneio que incomoda esses clubes, principalmente porque envolve apenas seleções da América do Sul.

Para isso, não basta apenas o lobby político para acabar com a competição, mas uma propaganda ideológica para convencer setores da própria população do País a atacarem a Seleção. A esquerda, nesse sentido, cai totalmente nessa campanha ideológica ao atacar os jogadores e o futebol brasileiro.

Os banqueiros do Mastercard e os capitalistas da multinacional Ambev retiraram o patrocínio da Copa América, mostrando ainda mais claramente qual é a origem do boicote à competição.

A carta dos jogadores

A imprensa golpista, para atacar Bolsonaro, criou uma série de notícias distorcidas ou falsas sobre os jogadores da Seleção. Chegou-se a afirmar que uma parte do elenco da Seleção iria pedir dispensa, que teria havido um bate-boca entre jogadores e Rogério Caboclo, presidente afastado da CBF, que Tite seria demitido. Impossível saber até que ponto havia de verdade nisso tudo, mas fato é que a divulgação insistente da imprensa golpista serviu para reforçar o clima de desgaste do governo Bolsonaro. A esquerda pequeno-burguesa, sempre pronta a acatar as orientações da burguesia, acreditou na conversa da imprensa.

É muito interessante notar o comportamento desprezível da esquerda que sempre que pode ataca os jogadores brasileiros como “alienados”, bolsonaristas despolitizados etc – esquecendo que quase que a totalidade desses jogadores são oriundos das camadas mais baixas da população brasileira e que são super pressionados pelos capitalistas que impedem a todo o custo qualquer manifestação política. Pois esses mesmos jogadores que a esquerda tanto ataca, se transformaram na mente iludida dessa mesma esquerda, graças à propaganda falsa da imprensa golpista, em potenciais revolucionários.

É dessa completa desorientação da esquerda, ou melhor dizendo, da orientação dada pela burguesia, que veio a frustração com a carta dos jogadores. E assim, novamente seguindo a direita, a esquerda voltou a atacar os jogadores com os piores adjetivos.

Nem revolucionários, nem fascistas, os jogadores brasileiros são pessoas comuns, que ascenderam socialmente com o futebol. A esquerda que tanto critica os jogadores por não se posicionarem politicamente, nem percebeu que, por mais moderada que seja a carta dos jogadores, ela expressa uma posição política crítica. Sem entrar no mérito da correção ou não das colocações feitas ali.

A esquerda que critica a carta, que exigia que os jogadores se transformassem de bolsonaristas a revolucionários em uma semana, nem leva em conta a enorme pressão política que esses jogadores sofreram. De um lado, a rede Globo, os monopólios imperialistas que se colocam contra Bolsonaro e contra a CBF e a Copa América e de outro o governo Bolsonaro, a ponto de que o vice-presidente, o general Mourão, ter ido publicamente ameaçar Tite com a demissão.

É no marco dessa enorme luta de interesses que se situa a carta dos jogadores. A esquerda, mais confusa e desnorteada do que os próprios atletas, não consegue entender o que aconteceu e ao invés de denunciar as manobras dos dois setores capitalistas em disputa, decidiu atacar a única coisa que é realmente popular e progressista nessa história toda: o futebol brasileiro.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.