Contra Sérgio Moro: nem proibição impediu o povo de se manifestar em Salvador

moro

Um grupo de manifestantes reuniu-se, às portas de um hotel em Salvador, para protestar contra os participantes do III Simpósio Nacional de Combate a Corrupção que lá se hospedaram, o protesto dirigiu-se em particular ao golpista Sérgio Moro, inimigo de todo o povo brasileiro, mas também todo o resto da escória golpista que participa de tal evento. O tal simpósio ocorreu no shopping Barra em Salvador, no entanto, um juiz da 6 Vara Cível e Comercial, Carlos Cerqueira Junior, proibiu um ato pró-luta e contra Moro e os demais golpistas participantes do simpósio nas dependências do Shopping.

Sob pena de multa diária de 100 mil reais, os organizadores realizaram um ato, na noite desta quarta-feira  (22), em frente ao hotel em que Moro e os demais estão hospedados. Segundo um dos participantes afirmou a revista Fórum, o ato foi extremamente positivo: “A manifestação no hotel foi ótima, eles foram pegos de surpresa. Causamos o maior constrangimento a ele (Moro) e aos demais que estavam lá. Dissemos tudo que tinha pra ser dito”.

Além do golpista Sérgio Moro estão confirmados para esse evento da direita, agentes da PF e o Ministro do Supremo, o golpista Luís Roberto Barroso e ainda outros golpistas.

Todavia, deste caso destaca-se dois elementos, primeiros a decisão absurda do juiz de cassar o direito de livre manifestação da população,  sob o nome de Combate a Corrupção reuniu-se em Salvado uma escória direitista da pior espécie, o que gerou revolta da população, o juiz quis impedir que a revolta se manifesta-se de maneira organizada e contundente contra os golpistas. Os juízes no Brasil mostram a cada dia que sua função não é cumprir a lei, mas justamente impedir a população de exercer seus direitos democráticos.

De outro lado, mostra que o legítimo ódio popular aos golpista e em particular a Sérgio Moro é tal que nem mesmo a proibição,  ilegal e absurda, impediu que a população demonstra-se rechaço ao golpe é apoio a Lula.

Veja o vídeo: