Entrevista
Número cresceu expressivamente por conta da adesão de trabalhadores das plataformas. Já são 17 plataformas paralisadas, em torno de 19 mil trabalhadores em greve
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
petroleiros ocupam sede da Petrobras
Bacelar é o primeiro da esquerda para a direita - ocupação prédio Edisa. Foto: Divulgação FUP |

Nesta quarta (5), o Diário Causa Operária Online (DCO) entrevistou o petroleiro Deyvidi Bacelar. Um dos 5 dirigentes da Federação Única dos Petroleiros (FUP) que ocupam o prédio da Edise, sede da Petrobras no Rio de Janeiro. Integrante da comissão permanente de negociação com a Petrobras, Bacelar falou com exclusividade ao DCO. Trouxe dados da ampliação do movimento, que alcançou 17 plataformas de petróleo e já passa dos 19 mil trabalhadores em greve. Também sobre a perseguição do governo Bolsonaro, através da direção da Petrobras e do Judiciário golpistas, que tentam estrangular o movimento através de intimidações operacionais e multas contra a greve. Confira a primeira parte da entrevista.

DCO: O Tribunal Superior do Trabalho (TST), através do ministro golpista Ives Gandra Jr., direitista conhecido inimigo dos trabalhadores, fixou multas de R$ 250 a 500 mil reais e determinou que 90% da categoria trabalhe durante a greve! Típica medida ilegal que inviabiliza o próprio direito de greve, como a categoria recebeu a notícia?

Deyvidi Bacelar: É verdade. O TST através do ministro Iven Gandra, apesar de ter respeitado decisão última do SDC, decisão do dissídio do ano passado, uma votação apertada por sinal (4 a 3), pra gente. Ele coloca efetivo que de fato inviabiliza o movimento paredista, porém, as condições que ele estabeleceu são bem difusas. Além disso coloca uma multa muito vultuosa. Para a Federação Única dos Petroleiros (FUP) e os Sindipetro NF (Norte Fluminense), ES (Espírito Santo) e BA (Bahia), 400 mil reais de multa para cada. Para os demais, 250 mil para cada, totalizando mais de 4 milhões por dia.

É bom lembrar, a alguns anos atrás, em 2015, um operador da REDUC, o Cabral, ele faleceu em um acidente de trabalho, num tanque que infelizmente não foi inspecionado seu teto – normalmente o operador sobe no teto do tanque para fazer atividades, tarefas operacionais -, Infelizmente devido a uma fraude no processo de inspeção de equipamentos, com relação à espessura do teto do tanque esse operador caiu no tanque e morreu, literalmente cozido. Num tanque que tinha produto numa temperatura de 70º. Esse trabalhador faleceu, sua viúva entrou com ação judicial, pedindo indenização, obviamente. E a Petrobras, pasmem, ofereceu 80 mil reais pela indenização da morte deste trabalhador. No processo judicial, a Justiça do Trabalho determinou uma indenização de 500 mil reais.

Agora, veja só. Para a Petrobras a vida de um trabalhador vale 80 mil. Para o Judiciário vale 500 mil e, ao mesmo tempo, para o ministro Ives Gandra, é razoável para ele estabelecer uma multa diária de 4 milhões e 500 mil reais para para os 13 sindicatos e à federação. É uma escrecência, decisão que nos assusta, porque a gente fica em dúvida se de fato nós estamos num Estado Democrático de Direito ou não.

A categoria recebeu essa notícia, mas como nós temos uma greve legal, não abusiva, o direito constitucional de realizar a greve, nós continuamos a greve. A orientação da FUP e seus sindicatos foi essa e a categoria está em greve. E por sinal greve que vem ampliando a adesão das pessoas a cada dia. Já chegamos a mais de 50 unidades no Brasil, com petroleiros de mais de 13 estados participando. Tendo em vista que os sindicatos que não fazem parte da nossa federação aprovaram a greve e estão participando conosco.

DCO: Segundo a FUP, em seu 4º dia, a greve alcançou 18 mil trabalhadores e 30 unidades do Sistema Petrobras em 12 estados. Este balanço numérico, muito expressivo, mostra a disposição de luta da categoria, que é um setor de ponta do movimento operário brasileiro. Qual o balanço da greve que você, como dirigente ocupado na sede da Petrobras, faz neste momento?

Deyvidi Bacelar: De fato esse número ele vem subindo a cada dia, entramos no quinto dia de greve. Já estamos agora com cerca de 50 unidades do Sistema Petrobras, com paralisação de atividades e grevistas. Esse número cresceu expressivamente por conta da adesão de trabalhadores e trabalhadoras das plataformas, já são 17 plataformas em greve, em torno então de 19 mil trabalhadores e trabalhadoras. A categoria ela se viu desafiada a entrar nesse movimento por conta dos ataques que ocorrem desde 2016, quando nós temos aí o governo Temer assumindo a presidência do país e o controle desta e de outras estatais.

O balanço é muito positivo, nós que estamos aqui na ocupação, da sede da Petrobras no Rio de Janeiro, especificamente na sala de reunião 01 no quarto andar. Nós entendemos que a categoria está disposta para a luta, para garantir a suspensão dessas demissões, garantir a suspensão das medidas arbitrárias que foram impostas principalmente para as áreas operacionais, disposta a defender seus empregos, mas principalmente defender a mudança de política de preços da Petrobras, que tem implementado uma série de alterações que visam a venda de ativos da Petrobras.

Este exemplo foi claro na FAFEN Paraná, que por conta justamente da mudança da política de preços ela teve um insumo básico, que é o resíduo asfáltico), com seu custo alterado. Um preço que era passado da REPAR para a FAFEN, a um preço de custo, agora, desde 2016, é passado a um preço de mercado, o que fez com que esses custos subissem e então a planta fechasse em prejuízo nos anos subsequentes. Então tem tudo a ver com a política de preços implementada em outubro de 2016.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas