Contra o golpe: PCO e comitês chamam Conferência Aberta para definir rumos da luta

ato curit

Durante a combativa mobilização de milhares de pessoas de todo o País para o ato de 1 de Maio, em Curitiba, os Comitês de Luta Contra o Golpe, juntamente com companheiros de dezenas de outros comitês pela Anulação do Impeachment, por Lula Livre etc. realizaram na própria Praça Santos Andrade, uma Plenária dos Comitês de Luta  para debater a situação do golpe aprofundado pela prisão do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, a caminho de completar 30 dias.

Na reunião se debateu a necessidade de superas as ilusões que alguns setores dirigentes de partidos de esquerda e organizações sindicais e populares que lutaram contra o golpe procuram alimentar de que a atual situação de derrota possa ser resolvida por meio de uma decisão judicial favorável do STF golpista ou ainda que a situação possa ser resolvida por meio de eleições que, se ocorrerem, tendem a se constituir – nas condições atuais – em um processo totalmente fraudulento, tendo como objetivo apenas dar aparente legitimidade a um governo que dê continuidade e aprofunde o golpe de estado em favor dos interesses do imperialismo e do grande capital “nacional”.

Nesse sentido, várias intervenções destacaram a necessidade de colocar em segundo plano as eleições e a compreensão de que a campanha eleitoral, neste momento, sem a presença de Lula, é uma fraude, que deve ser denunciada e repudiada pela militância e todas as organizações que lutam contra o golpe e pela liberdade de Lula.

Dezenas de companheiros fizeram uso da palavra falando das atividade dos comitês e da necessidade de reforçar a mobilização, como única forma de conquistar a liberdade para Lula e deter a ofensiva golpista. Para tanto foi destacado a importância multiplicação dos comitês nos locais de trabalho, moradia e estudo.

No encontro, dirigentes do PCO e da coordenação dos Comitês de Luta contra o Golpe apresentaram a proposta de realizar uma Conferência Nacional Aberta de Luta contra o Golpe visando intensificar a organização de uma mobilização revolucionária das massas.

Intervindo na Plenária, o presidente nacional do PCO, companheiro Rui Costa Pimenta, além de defender a necessidade da Conferência Aberta chamando a atenção para a necessidade também de criar comitês de autodefesa contra o avanço dos ataques dos bandos fascistas contra os trabalhadores e suas organizações de luta.

Neste domingo, dia 6, a direção nacional ampliada do PCO, com dirigentes regionais e coordenadores de Comitês de todo o País se reúnem para concretizar a proposta de realização da Conferência Aberta, a ser realizada ainda no mês de junho, como parte de um processo de multiplicação e fortalecimento dos comitês de luta pela liberdade de Lula, contra o golpe e pela anulação do impeachment.

Em todo o País, desde já, é preciso abrir um amplo debate em torno dessa atividade nacional e da necessária luta pela derrota da ofensiva da direita golpista.