Revolta dos trabalhadores
Após Donald Trump enviar as forças de segurança para diversas cidades do país, a população se radicalizou ainda mais e os confrontos são frequentes entre manifestantes e policiais.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
ap20208073952096 (1)
População reage a repressão cada vez maior nos protestos do país. | Foto: Timothy D. Easley/AP

Os Estados Unidos vivem uma onda de protestos contra o racismo e a repressão policial há dois meses em várias regiões do país, desde o assassinato de George Floyd, em Minneapolis, no final de maio, após ser sufocado por um policial. Com a radicalização da população, principalmente em regiões já conhecidas pela resistência popular, como Portland, o governo de Donald Trump agiu justamente da forma que os manifestantes não queriam, colocando mais repressão nas ruas ao enviar as forças nacionais para os lugares mais “críticos”, como a própria Portland. Mas, o efeito do envio dos agentes causou o efeito reverso, e ao invés de conter a população, os protestos mais radicais estão se espalhando por todo o país, onde o confronto entre manifestantes e as forças repressivas do Estado são constantes.

Com a radicalização da população, consequentemente o Estado burguês está agindo com as forças repressivas mais ostensivamente e a repressão é cada vez maior no país. Granadas de gás lacrimogêneo, spray de pimenta, balas de borracha, cassetetes, prisões, enfim, toda forma de repressão é permitida e intensificada nas manifestações, até mesmo em protestos que começam de forma mais moderada, demonstrando o verdadeiro caráter fascista dentro daquilo que seria o país mais democrático do planeta.

Os protestos não se limitaram a Portland, as cidades de Austin, Nova York, Omaha, Oakland, Los Angeles e Seattle também registraram protestos mais radicalizados. No último sábado (25), em Louisville, no estado de Kentucky, manifestantes negros saíram armados com fuzis e espingardas pelas ruas em um protesto cobrando justiça pela morte de Breonna Taylor, que foi morta em março, mais uma vítima da polícia e dos aparelhos de repressão burguês. Sobre as repressões cada vez mais violentas para com os manifestantes, em Richmond, na Virgínia, o Batalhão de Choque disparou agentes químicos para dispersar a manifestação do movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam).

O que está acontecendo nos Estados Unidos com as suas manifestações é a clara resposta da população sobre a repressão que o governo burguês exerce sobre a população, pois além de reprimir a sua liberdade de manifestação e de expressão, também assassinam inocentes e exercem uma força desmedida contra os trabalhadores. Desde seu princípio, a radicalização da população norte-americana ocorre em torno do mesmo problema: os aparelhos repressivos do Estado e como o governo de Donald Trump lida com a indignação dos trabalhadores perante as injustiças cometidas pela polícia e pela justiça. A polícia, que foi o estopim para o começo da revolta, agora ganhou mais um aliado na repressão contra a população, que são as forças nacionais enviadas pelo presidente para conter as regiões mais “críticas”. A real preocupação de Trump está em controlar a população a qualquer custo, pois o mesmo se encontra em plena campanha eleitoral, afinal o descontrole de seu governo está na pandemia e também na situação da revolta populacional, o que pode seriamente prejudicar a campanha de reeleição do republicano.

As medidas de Trump fizeram justamente o efeito contrário, e o aumento das manifestações e da radicalização do povo mesmo após dois meses do começo da revolta é eminente após a chegada das forças de segurança, o que demonstra que a população já não suporta mais tanto abuso e injustiça vindos dos aparelhos do Estado burguês. Mais uma vez, perante uma crise, a luta de classes é ainda mais acentuada e levada a finco, onde somente a radicalização da população e a organização popular são capazes de alcançar os anseios da classe trabalhadora perante uma crise que atinge todas as esferas sociais.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas