Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Brazilian truck drivers hold a banner reading
|

A greve dos caminhoneiros, que teve início na última segunda-feira, dia 21, colocou o governo golpista em xeque. A greve atingiu o ponto mais alto na quinta e na sexta-feira. Filas enormes nos postos de gasolina, várias cidades, inclusive São Paulo, decretando estado de emergência. Várias cidades também ficaram sem combustível e com crise de abastecimento de alimentos. Os piquetes nas estradas foram aumentando em todo o País, até que, segundo o próprio governo, chegaram ao número de mais de 900.

A principal motivação da greve é o preço absurdo do diesel, que inviabiliza o trabalho dos caminhoneiros. Essa reivindicação está ligada à política de preços que os golpistas, a mando do imperialismo e das petrolíferas estrangeiras, estabeleceu. Muitos setores da esquerda ficaram confusos sobre o caráter e o conteúdo da greve, já que a categoria, realizou atos para derrubar Dilma Rousseff e há de fato muitos elementos direitistas entre os caminhoneiros, alguns inclusive pedindo intervenção militar. Essa confusão ideológica é resultado da origem social da categoria, composta em sua maioria por autônomos, ou seja, uma pequena-burguesia.

Um ato como este, no entanto, não pode ser analisado simplesmente pela sua aparência ideológica. A greve dos caminhoneiros tem um sentido muito claro: é um ataque contra a privatização da Petrobrás. A política de aumento de preços é uma exigência do programa neoliberal imposto pelo golpe.

A dúvida sobre o caráter da greve se desfez quando a direita, através da imprensa golpista, passou a atacar a greve. A greve colocou a política dos golpistas em xeque. O governo foi obrigado a negociar e prometer abaixar os preços, mas a maioria dos caminhoneiros, até o fechamento dessa edição, continuava paralisando as estradas. O governo então foi obrigado a colocar as Forças Armadas para intervir.

Ficou claro que toda a operação para colocar as tropas nas ruas partiu do general Sérgio Etchegoyen, Ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional de Temer. Representante da linha duro do Exército, o general articulou o uso das forças militares contra os caminhoneiros.

Essa preocupação do governo e dos golpistas é bem clara. Eles temem que a greve se transforme em uma mobilização generalizada que derrube o governo e coloque o próprio regime golpista em crise. Outras categorias começaram a aderir à paralisação, como motoristas de Vans em São Paulo.

Os petroleiros paralisaram as atividades em Betim-MG e estaão em estado de greve nacionalmente, organizando atos contra a política de privatização da Petrobrás. Os caminhoneiros elevaram a temperatura política do País e o clima nas ruas é próximo ao de uma greve geral contra o governo. Além de terem paralisado a economia, os transportes nas maiores cidades teve que ser reduzido, ou seja, já há uma tendência a uma greve geral que precisa ser estimulada e organizada.

Nesse sentido, a CUT e seus sindicatos devem imediatamente se colocar à frente da mobilização que está se criando de maneira generalizada. A CUT é a única capaz de organizar de maneira geral uma paralisação de todas as categorias do País. A tendência já existe.

Outro fator que mostra essa tendência foi justamente a greve dos metalúrgicos da Mercedes Benz no ABC Paulista que durou 10 dias. A greve conseguiu evitar uma ataque que a montadora preparava contra a categoria e há muito tempo não se via uma greve desse tamanho na base metalúrgica mais importante do País.

A CUT precisa liderar, organizar e orientar esse movimento, colocar a necessidade de derrubar o golpe e todas as medidas golpistas, exigir a libertação imediata de Lula e de todos os presos políticos.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas