Contra a destruição do ensino, mobilizar a juventude para barrar a “Lava Jato” da educação de Bolsonaro

O presidente golpista e farsesco Jair Bolsonaro declarou na última segunda-feira, 4, que irá impor uma verdadeira política de perseguição às universidades públicas no país, em especial às universidades federais. Bolsonaro anunciou a chamada “Lava Jato da educação”. A operação Lava Jato foi o principal instrumento do golpe de Estado contra a presidenta Dilma Rousseff. Com o pretexto de se combater a corrupção, esta operação golpista instaurou uma verdadeira perseguição política contra a esquerda, em especial ao PT.

Sem qualquer base jurídica, e sem apresentar provas, a Lava Jato, nos últimos anos, estabeleceu uma verdadeira ditadura do judiciário. O principal exemplo desta perseguição, é o ex-presidente Lula. Preso sem qualquer prova, encarcerado político do regime golpista.

Bolsonaro agora quer instituir esse processo golpista na educação. Como pretexto para o ataque ao ensino superior, o golpista da extrema direita utilizou o aumento dos gastos com ensino superior entre 2003 e 2016. De acordo com Bolsonaro, em 2003 foram investido R$ 30 bilhões em educação, já em 2016 foram R$ 130 bilhões.

Bolsonaro demonstra com isso seu caráter totalmente anti-popular, contrário a manutenção dos direitos mais elementares da população. O golpista argumenta ainda que as “prioridades a ser ensinadas” não estariam de acordo a política da extrema direita, com isso, abriria precedente para a perseguição por parte da justiça, da Polícia Federal e do Ministério Público.

O fundo da questão é um problema de perseguição política. Com a desculpa de se combater os supostos desvios de dinheiro, os golpistas querem impor uma verdadeira ditadura contra professores, funcionários e estudantes das universidades. Vale lembrar que desde o início do golpe, as universidades tem se constituído em importantes polos de resistência às ações dos golpistas.

A perseguição tem como eixo também destruir o ensino superior público, abrindo caminho para sua privatização.

É preciso mobilizar professores, estudantes, funcionários e toda a comunidade acadêmica contra a intervenção golpista nas universidades. É preciso defender a autonomia universitária e o fim da Operação Lava Jato. Organizar a mobilização por meio dos comitês de luta contra o golpe. Unificar essa mobilização com a luta geral do povo contra o regime golpista: “Fora Bolsonaro!” e “Liberdade para Lula!”