Aulas presenciais
Temos que ter claro, que o retorno às aulas presenciais, principalmente nos ensinos fundamental e médio, acarretaria uma verdadeira explosão nos números de novos contágios.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
escolas Joinville_9 (1)
Retomada das aulas presenciais está na dependência de recuo em matriz de risco | Foto: Arquivo AN

Nos últimos três meses os número de novos casos de Covid-19 entraram numa curva descendente, com uma clara redução em relação ao mês de julho. Houve nesse período um aumento significativo de 4% no percentual de mortes em agosto e um aumento na taxa de contágio que voltou a ser igual a 1 em setembro.

O números indicam que podemos estar próximo de um ponto de inflexão, onde a curva de novos casos de Covid-19 voltaria a ser ascendente. Configurando até o cenário de uma segunda onda da pandemia, sem sequer temos saído da primeira onda pandêmica.

Na cidade de Blumenau o aumento de casos de coronavírus fez a prefeitura municipal recuar do plano de retomada das aulas presenciais. O retorno que ocorreria no dia 26 de outubro foi cancelado, a exceção da Educação para Jovens e Adultos (EJA), que voltará na próxima segunda-feira dia 26. Blumenau computou o montante de 1 mil novos infectados nos últimos 20 dias, no último domingo dia 18 de outubro o município bateu um recorde para o dia da semana nos seus registros de 50 novos infectados.

Em Joinville por exemplo onde o prefeito Udo Döhler (PMDB) é um ferrenho defensor da volta às aulas presenciais, que sustenta que “Nossos indicadores mostram que já podíamos ter retomado as aulas de forma segura, mas a matriz do governo do Estado faz uma leitura equivocada”. O mesmo foi obrigado a reconhece que diante das “resistências” parece ser “pouco provável” o retorno das aulas presenciais em 2020. “Estamos quase jogando a toalha” afirma o prefeito em relação ao retorno às aulas em 2020.

Temos que ter claro, que o retorno às aulas presenciais, principalmente nos ensinos fundamental e médio, acarretaria uma verdadeira explosão nos números de novos contágios. Essa política ainda estaria expondo a pandemia as crianças, adolescentes e seus familiares, bem como professores e todo o pessoal técnico de apoio das escolas.

Nesse cenário, com milhares de novos casos de covid-19 decorrentes do retorno às aulas presenciais, o setor que seria mais afetado seria os extratos mais pobres dos estudantes, em sua maioria negros. Hoje a pandemia no Brasil já adquiriu um caráter social, esse caráter se tornaria ainda mais agudo com o retorno às aulas presenciais.

O único meio de barrar a política genocida de volta às aulas presenciais durante a pandemia, é a mobilização massiva dos amplos setores envolvidos, professores, técnicos, estudantes e familiares. Essa mobilização deve ser encabeçada pelo estudantes e ter unidade na defesa da suspensão, cancelamento do calendário acadêmico até que a crise sanitária da pandemia de covid-19 seja superada.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas