Menu da Rede

Nordeste saiu às ruas pelo fora Bolsonaro

Racionamento de energia

Conta de luz aumenta para encher o bolso dos capitalistas

Contas de luz deverão aumentar entre 7% e 7,5% ainda este ano, com um aumento de pelo menos 5% em 2022

A política neoliberal do governo Bolsonaro e sua equipe faz com que o povo pague pelos lucros capitalistas – Foto: Reprodução

Publicidade

A crise no governo Bolsonaro já não é mais novidade. De acordo com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (ou seja, em números oficiais), a inflação do país em 1 ano atingiu 8,06%. Arroz, carne, gasolina, gás de cozinha — tudo está aumentando em uma velocidade altíssima e a conta de energia elétrica não está fora desta tendência.

A energia elétrica foi o item de maior peso na última lista publicada sobre a inflação no país, tendo tido um aumento de 5,37%. Em conjunto a isso, a partir deste mês as contas de luz irão adotar a bandeira tarifária vermelha de patamar 2, que aumenta R$ 6,243 a cada 100 kWh (Quilowatt-hora) consumidos e representa o nível de cobrança máxima aos consumidores. O diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), André Pepitone, ainda afirma que o valor do patamar 2 será rediscutido e a tarifa extra deverá aumentar em torno de 20%, passando dos 7 reais — um verdadeiro roubo da população.

A tarifa já havia sido aumentada em maio, quando foi anunciado a utilização da bandeira tarifária vermelha de patamar 1, que adiciona R$ 4,169 a cada 100 kWh consumidos durante o mês. A justificativa mais usada para explicar o aumento constante é a crise hídrica no país: o período de seca pelo qual passa a América Latina devido ao aquecimento global, ao desmatamento na Amazônia e ao fenômeno climático La Niña. Isso faz com que as usinas termelétricas sejam utilizadas com maior frequência e, por serem mais caras, o preço adicional pesa no bolso da população.

O resultado de toda essa política é que, entre crise, inflação e taxas adicionais, a conta de luz pode aumentar entre 7% e 7,5% ainda este ano, com um adicional de pelo menos mais 5% em 2022.

Existe no momento o projeto de uma Medida Provisória que viabiliza uma situação de racionamento de energia, incluindo a possibilidade de criação de um comitê de crise que poderá estabelecer medidas como um limite de consumo de energia e a contratação emergencial de termelétricas. O grupo ainda poderá aplicar tais medidas sem o aval de outros órgãos ou de Estados e municípios — apesar de todos estes fatores, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, nega a necessidade de racionamento e descarta a possibilidade de um apagão.

A última vez que a política de racionamento de energia foi implantada foi entre 1° de julho de 2001 e 19 de fevereiro de 2002, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso. Com o objetivo de prevenir um apagão (que mesmo assim acabou acontecendo), o governo carniceiro do PSDB estabeleceu que aqueles que não cumprissem o limite estabelecido deveriam pagar um valor adicional na conta de luz que poderia chegar a 200% do valor inicial, podendo inclusive ter sua energia elétrica cortada.

Era necessário que desta experiência tivessem sido retiradas soluções para o problema da crise hídrica, afinal, a cada ano que se passa, esta parece ser um problema mais recorrente, seja em escala regional ou nacional. Em vez disso, é sabido que o governo FHC foi um recordista na questão das privatizações, política continuada pelo governo Temer e, no momento, pelo governo Bolsonaro. O sucateamento das empresas estatais pode ser observado em todos esses períodos, resultando na piora das condições de vida da população, que precisa aturar todo o tipo de política para encher os bolsos dos capitalistas. 

O fato é que não existe perspectiva de diminuição da conta de luz. A tendência, independentemente da causa do problema, é de aumento constante. A política neoliberal de Bolsonaro e sua equipe e a destruição das empresas estatais — inclusive da Eletrobras, cada vez mais próxima de ser privatizada — indicam que os trabalhadores brasileiros irão sentir o peso da crise em suas cabeças de modo cada vez mais esmagador, tudo isso em conjunto com as altas taxas de desemprego, os baixos salários e pandemia do coronavírus. Para seguir a justificativa do governo e da imprensa burguesa, não existe perspectiva para um período de chuvas, dando a certeza de que, de um jeito ou de outro, a conta da energia elétrica irá aumentar.

Todos os problemas relacionados à crise hídrica poderiam ter sido contornados caso os desmontes não fossem efetivados. A destruição de empresas estatais e sua privatização resultaram no sucateamento das empresas, que não funcionam mais pelo bem da população, mas sim trabalham apenas para o lucro capitalista. Assim, todo aumento, seja por crise ou parasitismo capitalista, é jogado nas costas do trabalhador.

O aumento da conta de energia elétrica, assim como o de vários outros produtos e serviços, está relacionado à política neoliberal implantada desde o golpe de Estado de 2016 e que vem sendo levada atualmente por Bolsonaro e sua equipe. É preciso organizar uma grande mobilização da população contra o governo Bolsonaro, contra as privatizações e contra todos os ataques da burguesia aos trabalhadores.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.