Nacional
Consultoria prevê 3,8 milhões de domicílios a mais nas classes D e E para este ano, o que faz com que o número de casas nessa situação chegue a 41 milhões
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Pobreza_SP
Pobreza no Brasil | Foto: reprodução

Segundo matéria do G1, a consultoria Tendências aponta que até o final deste ano cerca de 41 milhões de domicílios estarão no que eles chamam de classes D e E, ou seja, que recebem menos de R$ 2.500,00 por mês.

O número já era alto e possuía cerca de 37 milhões de lares nessa situação, tendo ainda acrescido o número de 600 mil casas nessa conta caso a pandemia não tivesse acontecido, por conta da frágil economia do país, no entanto, o número de casas que irão para a faixa abaixo de R$ 2.500,00 subiu para 3,8 milhões, o que representa 15 milhões de pessoas no país.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas