Cumplicidade com o genocidio
A esquerda abandonou a posição de atuar em defesa das reivindicações próprias dos explorados diante da crise, virou ventríloquo da direita e só sabe repetir “fique em casa”
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
doria
O governador "herói" da esquerda, João Dória - foto da internet |

Nos seus pronunciamentos e entrevistas,  alguns dos principais ídolos da esquerda, como o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta (DEM), na sua gestão no Ministério da Saúde, os reacionários governadores João Doria (PSDB-SP) e Wilson Witzel (PSC-RJ), têm usado o bordão “fique em casa”, amplamente repetido pela imprensa golpista como sendo a “fórmula mágica” para conter a pandemia que já matou mais de 20 mil brasileiros e infectou mais de um milhão, segundo estimativas mais contidas, da própria imprensa capitalistas que consideram a evidente subnotificação organizada pelos governos da direita.

Como parte de sua política dominante na etapa atual de seguir totalmente à reboque da burguesia, buscando uma “santa aliança” com uma de suas alas golpistas, em nome de criar uma bloco de oposição a Bolsonaro, a esquerda burguesa e pequeno-burguesa tornaram seus o lema da direita. E não se cansa de repetir: “fique em casa”.

Fique em casa e cobre a proteção do Estado!“, conclama matéria publicada no sitio Vermelho, ligado ao PCdoB.

Se puder, permaneça sempre em casa“, recomenda o sítio do Psol.

Como outros governadores da esquerda e da direita  “Wellington Dias [PT-PI] pediu aos piauienses que fiquem em casa

Abundam nos discursos e páginas da esquerda na internet a mesma recomendação propagada pela direita.

Nem mesmo o brutal aumento das mortes em casa e a total falta de medidas por parte dos governos fizeram a esquerda mudar de posição.

De nada adiantou a evolução da pandemia no País e os sinais evidentes de que toda a burguesia está preparando medidas para reduzir o isolamento. Ainda que a burguesia intensifique essas medidas e busque lucrar com a repressão, como a aplicação de multas, a esquerda segue firme na devoção à quarentena e ao isolamento social, que constituem – de fato – uma farsa que serve para a direita ocultar a realidade de que nada está sendo feito para combater o coronavírus. Não há testes em massa, não há pesados investimentos na saúde pública, nada de distribuição gratuita de equipamentos de proteção e de higiene, os quais faltam até mesmo para os profissionais de saúde.

Essa esquerda abandonou, por completo, a posição de atuar em defesa das reivindicações próprias dos explorados diante da crise; virou ventríloquo da direita e abriu mão de qualquer luta para exigir condições para que o povo possa ficar em casa efetivamente com as devidas condições e protegido do avanço da pandemia.

Um aspecto mais claro dessa situação é o abandono pelos sindicalistas, de esquerda e de direita, dos milhões de trabalhadores impossibilitados de ficarem em casa, como metroviários, trabalhadores da construção civil, dos correios, da própria saúde etc. que, como os demais, tiveram seus sindicatos fechados e foram abandonados à própria sorte, pelos sindicalistas “em quarentena”.

Nesse sentido, a esquerda que adotou tal política tornou-se cúmplice do verdadeiro genocídio que a direita está promovendo contra o povo. Em vez de combater a política da direita, passou a atuar para “conscientizar” o povo da suposta legitimidade dessa política.

Essa situação se viu reforçada no 1º de Maio, quando a direita abriu mão de realizar um ato próprio dos trabalhadores para debater suas condições atuais e a luta por derrotar a ofensiva da direita e optou por fazer um ato de “unidade” com os que estão, junto com Bolsonaro, promovendo essa ofensiva; a mesma direita que derrubou a presidenta Dilma Rousseff, prendeu Lula e cassou direitos que foram resultados de décadas de lutas da classe operária.

A direita tem toda razão para defender o “fique em casa”, em um momento em que enxerga claramente – como declarou o próprio presidente – uma situação que caminha para a explosão social, diante da fome e miséria que está impondo ao povo. Mas, para os trabalhadores e a esquerda, esta orientação não é mais do que uma política suicida, ainda mais quando a extrema-direita em crise faz aberta campanha a favor do golpe militar e do aprofundamento da ditadura que se impôs ao País.

Com a política do “fique em casa”, a esquerda faz a propaganda e a direita se beneficia, enquanto prepara o genocídio do povo por doença, pela fome e pela repressão.

É preciso abandonar essa política suicida e adotar a organização independente dos explorado, nos Comitês de Luta, nos Conselhos Populares e por meio da reabertura dos sindicatos e demais entidades de luta dos trabalhadores.

Ao mesmo tempo, ampliar a exigência de que a CUT – maior Organização dos explorados – convoque uma Conferência Nacional das organizações de luta, da esquerda, para debater um programa dos explorados diante da crise e aprovar um plano de mobilização para derrotar a direita, o que não será possível com a política do “fique em casa”.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas