Siga o DCO nas redes sociais

Lado a lado com a direita
Conlutas: a “vitória” que vai levar à sua liquidação
PSTU comemora o aprofundamento da política direitista da Conlutas, que será também a sua liquidação
1009841-01042016-_abr9600
Lado a lado com a direita
Conlutas: a “vitória” que vai levar à sua liquidação
PSTU comemora o aprofundamento da política direitista da Conlutas, que será também a sua liquidação
Foto: Arquivo DCO
1009841-01042016-_abr9600
Foto: Arquivo DCO

A CSP-Conlutas, organização sindical controlada pelo PSTU, realizou no final de semana passado seu congresso. Dias depois, Zé Maria, presidente nacional do PSTU, publicou em seu site um balanço do que foi o congresso de sua “central’ sindical de brinquedo em que chama de “vitória”: “o 4º Congresso da CSP-Conlutas, que se encerrou no domingo (6) foi uma vitória importante desta central, que se consolida e amplia sua influência.”

A vitória, segundo o balaço apresentado, seria que a Conlutas “expressou o avanço da construção de um polo de luta e de independência de classe em nosso país”. Nada poderia ser mais distante da realidade.

O que Zé Maria apresenta como uma vitória, é na realidade a demonstração de falência completa dessa organização e uma mostra da completa distância do PSTU e seus grupos satélites da realidade política e social do País.

Zé Mari tenta explicar que a resolução aprovada no congresso de que não se deveria fazer campanha pela liberdade de Lula não seria uma resolução em defesa da prisão de Lula e do golpe contra o PT. Claramente um embuste para enganar os tolos. Trata-se obviamente, de uma política que coloca o PSTU e a Conlutas lado a lado com a direita e com Jair Bolsonaro. Dizer que não se deve fazer campanha pela libertação de Lula pois não se deve dar um “atestado de inocência para Lula e o PT”, conforme indicado em suas resoluções, é na prática dizer que Lula pode muito bem continuar preso.

Leia Também  Um terço dos shoppings já reabriu, mesmo com quase 30 mil mortes

Não existe meio termo para tal questão. Pode-se discordar politicamente de Lula e do PT. Mas não se pode defender – e mesmo que acreditássemos que a posição da Conlutas é uma espécie de abstencionismo diante da questão também seria a mesma coisa – que os direitos democráticos mais fundamentais do povo sejam destruídos para que a direita coloque um líder da esquerda na cadeia.

Não existe meio termo também em outra resolução do congresso que chamou a atenção da esquerda. A defesa de que se deveria lutar para derrubar o presidente venezuelano Nicolas Maduro, inclusive chamando o governo de “ditadura chavista”, exatamente como fazem a direita golpista brasileira, os bolsonarista e o imperialismo. Nesse ponto, aparece mais um embuste. Segundo a resolução da tão combativa Conlutas não se trata apenas de pedir a derrubada de Maduro, mas também ser contra Guaidó. Tudo isso não passa de pura enrolação. Diante de uma ameaça de intervenção imperialista, qualquer organização que se diz de esquerda e dos trabalhadores não deve ter a menor vacilação: é preciso defender o direito do povo contra o imperialismo e contra a direita que quer derrubar o governo para escravizar os venezuelanos.

Leia Também  Organizadas e PCO acabam com carreata bolsonarista em Curitiba

Essas resoluções se colocam frontalmente contra os interesses dos trabalhadores. Com mais “vitórias” como essas em seu congresso, a Conlutas aprofunda sua dissolução. É um caminho sem volta para a liquidação completa como organização.

 



0 Shares
Share via
Copy link