África
Conflitos tribais deixaram pelo menos 48 mortos e 97 feridos na cidade sudanesa de Al-Genaina, em Darfur Ocidental, segundo nota da União Médica divulgada pela imprensa local
d482d674d1ae0f99847760c7980d4244619017c4-768x432
Homens armados no Sudão | Foto: Arquivo AFP
d482d674d1ae0f99847760c7980d4244619017c4-768x432
Homens armados no Sudão | Foto: Arquivo AFP
Os acontecimentos ocorreram desde sábado e várias casas foram incendiadas, enquanto as autoridades locais declararam toque de recolher e o governo central enviou uma delegação de alto nível que incluía representantes do Exército, da Justiça e das forças de segurança.

O texto destaca o empenho dos médicos em cuidar dos feridos em meio às dificuldades de locomoção e à escassez de pessoal e medicamentos.

Da mesma forma, fez um apelo urgente às autoridades para que protejam os estabelecimentos de saúde públicos e privados e acompanhem os meios de transporte para assegurar o transporte dos feridos, além de fornecer material médico aos hospitais.

Também neste domingo, a Associação Profissional Sudanesa (SPA) enviou suas mais profundas condolências aos familiares das vítimas e feridos nos confrontos de ontem, que tiveram como alvo o campo de Kerainding, publicou a agência SUNA.

O SPA exigiu em um comunicado que o governo de transição, as autoridades de Darfur Ocidental e as forças militares e de segurança cumpram suas obrigações de proteger os civis.

Ele avaliou que a saída total das forças que integram a Operação Híbrida União Africana-Nações Unidas em Darfur constitui uma ameaça real à paz e segurança na região até que o governo de transição configure sua substituição.

O estado de emergência e o toque de recolher em todo o estado de Darfur Ocidental não são suficientes, estimou o SPA. Nesse sentido, recomendou medidas para impor o controle sobre os grupos armados e fazer cumprir a lei, junto com a adoção de procedimentos legais urgentes para controlar a proliferação de armas.

Relacionadas
Send this to a friend