Conferência Nacional Aberta: representantes de todo o País discutem a organização da rebelião popular

IMG_1267

A Conferência Nacional Aberta  de Luta Contra o Golpe começou nesse sábado, dia 21, na Quadra dos Bancários, em São Paulo.

Representantes de quase todos os estados do País estão presentes na atividade, que dura até a tarde de hoje, quando haverá um ato político de encerramento no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC.

Depois do credenciamento, a Conferência começou com o ato de abertura, com a participação de representantes de comitês de todas as regiões do País na mesa do ato.

A companheira Isabel Noronha, a Bebel, presidenta licenciada da APEOESP (Sindicato dos Professores do Estado de São Paulo) foi a primeira a falar no ato. Ela destacou a importância da Conferência e lembrou que foi uma iniciativa do PCO e da APEOESP que primeiro organizou um ato contra o golpe, no dia 13 de março de 2015. Desde então, a luta contra o golpe vem se intensificando.

Depois de Bebel, a companheira Edva Aguilar, militante do Comitê Anula Impeachment, explicou a importância de organizar o próximo dia 15 de agosto, em Brasília, para garantir a candidatura de Lula. “Esse ato deve ser também contra o golpe, contra o impeachment de Dilma”, destacou ela.

O próximo orador foi o militante do PT, ex-deputado estadual e ativista dos direitos humanos, Adriano Diogo, que em sua fala destacou o papel de vanguarda do PCO ao denunciar o golpe. Ele também destacou a importância da luta contra a prisão de Lula, que foi essencial para a resistência em São Bernardo do Campo, onde Lula foi preso.

Outra companheira que falou na abertura foi Lúcia Reis, do Comitê Volta Dilma do Rio de Janeiro. Ela destacou a necessidade de mobilização dos trabalhadores através dos sindicatos.

O último orador foi o companheiro Rui Costa Pimenta, presidente do PCO. Rui afirmou que a principal tarefa da Conferência é organizar a luta para derrotar o golpe e libertar Lula. Ele destacou a fala do ex-ministro Gilberto de Carvalho que em entrevista afirmou que apenas um levante popular pode soltar Lula da prisão. Rui afirmou que a Conferência tem como objetivo organizar essa rebelião popular.

A Conferência Continuou após o almoço com os debates com base nas teses políticas apresentadas ao plenário. Mais de 50 companheiros se inscreveram para contribuir para o debate político. O dia foi muito produtivo, com propostas de luta para derrotar o golpe.

A noite terminou com as apresentações musicais da banda Nós do Meio, do Rio de Janeiro, a banda Revolução Permanente, composta por militantes do PCO, e o samba de Aninha Batucada e Renato Dias que colocou todos para dançar.

Os trabalhos retomam neste domingo (22) e o encerramento da Conferência será em São Bernardo do Campo, no Sindicato dos Metalúrgicos, a partir das 15 horas.