Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Paulo Bruno Covas anuncia política municipal sobre o consumo de álcool e outras drogas
|

No último mês de Maio, o governo psdebista de Bruno Covas lançou concurso há muito pedido pelas administrações escolares para o cargo de Auxiliar Técnico de Educação (ATE), profissionais que prestam atendimentos dentro das escolas como inspetores de alunos, auxiliares de secretaria escolar, atendimento à comunidade escolar, matrículas de alunos, entre outros serviços.

O quadro destes servidores há muito está escasso, com os atuais servidores sendo sobrecarregados em muitas unidades escolares, frente ao grande número de estudantes e quadros profissionais cada vez mais reduzidos. Com as pressões de direções e comunidades escolares frente ao caótico quadro da educação municipal, que nos últimos anos realizou greves combativas contra os ataques à educação e às condições de vida dos servidores, a prefeitura de São Paulo publicou em maio, o edital do novo concurso público da Secretaria Municipal de Educação, com oferta de 1.737 vagas, sendo 1.109 para o cargo de ATE e 628 para o cargo de Coordenador Pedagógico.

Após finalizado o prazo de inscrição que se iniciou em julho, o site da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo anunciou a quantidade de inscritos para o cargo de Auxiliar Técnico, são no total 118 mil inscritos. Com a absurda concorrência de 106 candidatos por vaga. Tal exemplo demonstra com clareza o rebaixamento das condições de vida dos trabalhadores no país, pois tal concurso, como um leigo, ou desinformado poderia pensar, não é por um salário de R$10.000,00; mas sim por um piso de R$ 1.553,40  de acordo com o último reajuste, da categoria, acrescido  de vale alimentação e refeição que faz este valor chegar a cerca de R$2.100,00.

Entre os milhares de inscritos, estão sem dúvida, trabalhadores procurando maior segurança frente aos resultados do golpe de Estado como o aumento do desemprego; ou ainda, milhares de jovens que não encontram emprego no país e anseia um lugar ao sol, uma pequena que seja, perspectiva de vida. Mas o anuncio do recorde de inscrições caíram como um balde de água fria na cabeça dos mais de 118 mil inscritos, que sabem que o “milagre” só ocorrerá para cerca de mil pessoas, as outras 117 mil continuaram em situações de vida ainda piores. E ainda o alerta para os um mil cento e nove aprovados, que conseguirem o “milagre”, eles terão uma vida muito difícil frente ao sucateamento das escolas municipais em São Paulo, que se reflete em inúmeros males sociais que afloram no dia a dia das escolas da capital paulista, levando muitos servidores ao adoecimento dentro dos estabelecimentos públicos.

Com tal situação, um jovem candidato ao concurso de ATE, fez o seguinte comentário em unidade escolar, “Talvez seja mais fácil fazer a revolução, do que ter uma vida digna neste país”.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas