Carta do leitor
Leitor do DCO responde a texto publicado em sítio do PCB sobre o veganismo e o movimento comunista
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
unnamed (1)
Fidel, defensor do desenvolvimento da agropecuária cubana que atendesse aos anseios do povo cubano | Foto: Fidel Castro e a icônica vaca “Ubre Blanca”/Reprodução

Resposta ao artigo de opinião chamado “Os comunistas e os animais”, publicado na página do Partido Comunista Brasileiro.

O texto, além de produzir algumas desinformações a respeito da criação animal no Brasil, em geral, remete, mesmo que timidamente, a uma defesa do veganismo. Segundo a lógica do texto, o problema do veganismo seria ele estar sendo apropriado pelo capital e que deveria ser disputado pelo movimento comunista.

Cabem aqui, algumas considerações sobre passagens do texto:

“…Reclus pontuava já naquela época as contradições da produção animal capitalista, que desfigura e diminui os animais, bem como criticava a seleção artificial.”

Criticar a seleção artificial é fazer uma frente com os setores que se colocam contrários ao desenvolvimento tecnológico da sociedade. A seleção artificial (ainda que possa ser criticada da forma como é feita na sociedade capitalista) é o que permite maiores produtividades, maiores rendimentos de carne pela quantidade de alimento ingerida, produção de animais mais precoce. Basicamente, sem a seleção artificial, ainda estaríamos abatendo bovinos com seis anos de idade, no lugar de abater com 1,5, como já é possível nos dias de hoje. Além disso, a seleção artificial é o que possibilitou a agricultura e a pecuária no mundo, sem ela, a humanidade seria composta de caçadores e coletores.

“…fazendo com que o movimento comunista se depare com novas questões, que antes não tinham impacto crescente nos debates e disputas políticas, como agora: a degradação ambiental, o sofrimento animal e a irracionalidade extrema da produção e reprodução artificial de animais.”

A criação animal foi possível graças à domesticação de animais selvagens e a seleção possibilitou a criação de animais de produção. Com o desenvolvimento tecnológico, surgiram novas ferramentas utilizadas na reprodução dos animais domésticos. Entre elas, destaca-se a inseminação artificial, que no texto é tratada como “irracionalidade extrema”, que possibilitou a redução na quantidade de reprodutores por matrizes, e melhorou muito significativamente as capacidades de melhoramento genético, uma vez que um reprodutor pode ser testado, simultaneamente, em centenas e até milhares de animais.

“Nesse sentido, os comunistas, historicamente, se comprometem com a reforma agrária e o enfrentamento ao latifúndio, buscando sua substituição ideal pelo modelo mais moderno e ecologicamente sustentável possível, que hoje seria a agroecologia, técnica que reduz ao extremo ou até mesmo abole a produção animal.”

Nesse trecho do texto, há uma defesa da agroecologia como paradigma de agricultura para o enfrentamento do latifúndio e do agronegócio. A agroecologia, como um movimento heterogêneo, tem diversas abordagens e
concepções. A realidade hoje é que a quase totalidade da agricultura ecológica no Brasil depende da utilização do esterco de animais como fonte de nutrientes.

Portanto, a agroecologia não reduz ao extremo, nem abole a produção animal. Pelo contrário, a agroecologia depende da interação animal-solo-planta para produção. Além disso, existe a produção animal agroecológica, que tem como principal exemplo o Pastoreio Racional Voisin (PRV), um sistema de criação animal intensivo, à base de pasto, possível em qualquer escala e que possibilita produção que regenera o ambiente e combate o efeito estufa.

“O fato de a produção animal estar profundamente assimilada e naturalizada na nossa sociedade, mesmo com suas gigantescas contradições, revela o caráter extremamente revolucionário necessário para a real libertação animal e, por isso, o movimento comunista é o único instrumento da classe trabalhadora realmente capaz de realizar as transformações necessárias para a retirada dos animais das relações de produção.”

Colocar o movimento comunista como instrumento da classe trabalhadora para retirar os animais das relações de produção, salvo algumas exceções, não possui relação histórica com o movimento operário e com os camponeses. Não há dúvida que o latifúndio brasileiro utiliza os animais de produção de forma exploratória e improdutiva, mas os próprios assentamentos da reforma agrária no Brasil possuem exemplos concretos da utilização da pecuária de forma sustentável.

São reivindicações reais dos trabalhadores e dos oprimidos a democratização e o acesso aos mais diversos alimentos, entre eles, os produtos de origem animal. Além disso, a defesa do veganismo e da “real libertação animal”
desconsidera o trabalho de muitos comunistas no sentido de desenvolver uma pecuária que respeite o bem-estar animal e o meio ambiente.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas