Jardim Santo André
Comunidade de bairro na região de São Mateus se mobiliza pelo direito a alimentação de seus filhos, estudantes da rede pública que se encontram sem merenda
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Comissão de moradores na DRE São mateus
Professores da corrente Educadores em Luta e comunidade entregam abaixo assinado | Diário Causa Operária: Caio Souza

As políticas genocidas dos governos de direita, pelo país afora, do governo federal do fascista Jair Bolsonaro, passando pelos governos estaduais de todo país e pela imensa maioria das prefeituras, desde o início de seus mandatos, tem por objetivo defender o empresariado, e isto somente se intensificou nestes últimos quatro meses com a pandemia da Covid-19.

Neste sentido estão preocupados em garantir os lucros dos capitalistas, com inúmeras medidas, que passam pela destinação de 1,2 trilhões de reais para os bancos, realizada por Bolsonaro. Pelo falso isolamento de João Doria e Bruno Covas, que desde o início permitiu apenas a parcela da classe média e da burguesia, que estes ficassem isolados, enquanto os trabalhadores dos mais diversos ramos, metalúrgicos, correios, petroleiros, construção civil, transportes rodoviários, ferroviários, metroviários entre muitas outras categorias, sem falar os desempregados ou “autônomos” que não podiam se dar à segurança de ficar em casa, sob o risco de condenar suas famílias à fome e ao longo deste período nesta luta contra a fome , milhões se contaminaram, 100 mil pessoas vieram a óbito no país.

Nessa política de apoio ao empresariado, leis e decretos foram assinados, diminuindo os salários e os direitos de todos os trabalhadores e servidores públicos do país. Para os mais de 100 milhões de empobrecidos do país, a miséria de R$ 600, 00 aprovada pelo congresso e sancionada por Bolsonaro, não chegou para a imensa maioria dos trabalhadores e para quem chegou não resolveu o problema da fome.

Em São Paulo, Estado que é o epicentro da Pandemia do coronavírus, a população teve a suas condições de vida ainda mais afetadas, pois com a proliferação da doença as escolas foram fechadas e a merenda escolar, que auxiliava a alimentação de milhões de crianças e aliviava as despesas do mês das famílias trabalhadoras, deixou de ser dada pelos governo do Estado João Dória e o prefeito da cidade de São Paulo Bruno Covas, o que fez com que a miséria e a fome de amplas massas trabalhadoras se ampliassem a altos níveis.

Frente a toda essa situação de dificuldades a população das periferias vai se mobilizando, caso da comunidade do Jardim Santo André, região do distrito de São Mateus, na capital paulista, onde pais, estudantes e professores da EMEF Maria Aparecida Vilasboas e outras escolas da região organizaram abaixo – assinado (Ver post abaixo) endereçado ao governo municipal de São Paulo exigindo a entrega de cestas básicas para a população carente e seus filhos e com uma ótima mobilização conseguiram em uma semana mais de 500 assinaturas por essa reivindicação. E nesta sexta feira, 07 de agosto, uma comissão composta por pais, estudantes e professores da região de posse das mais de 500 assinaturas se dirigiu até a Diretoria Regional de educação de São Mateus e realizou a entrega aos cuidados da dirigente de educação da regional, que não se encontrava no local, estando em trabalho home office e protocolou a entrega de todas as assinaturas a serem encaminhadas ao Prefeito de São Paulo.


A comunidade aguardará pela resposta urgente do senhor prefeito, caso esta não ocorra, novas iniciativas serão tomadas, pois o povo não pode esperar.

Veja o abaixo assinado:

“IMEDIATA DISTRIBUIÇÃO DE CESTAS BÁSICAS PARA TODOS ALUNOS DA EMEF. PROFA. MARIA APARECIDA VILASBOAS E DE TODA A REDE PÚBLICA
Para: Prefeito Municipal de São Paulo, Secretário Municipal da Educação, Presidente da Câmara de Vereadores
IMEDIATA DISTRIBUIÇÃO DE CESTAS BÁSICAS PARA TODOS ALUNOS
DA EMEF. PROFA. MARIA APARECIDA VILAS BOAS
Volta às aulas só com o fim da pandemia, sem riscos, com vacinação em massa
Nós abaixo assinados, alunos, pais, educadores e moradores da Comunidade da Emef. Maria Aparecida Vilasboas, Bairro Parque Das Flores – São Mateus, nos dirigimos ao prefeito municipal e demais autoridades para reivindicar, com a máxima urgência a entrega de cestas básicas para todos os alunos da escola que necessitam desta ajuda.
A prefeitura municipal de São Paulo anunciou um plano de entrega de cestas básicas aos alunos da rede escolar. Para a desagradável surpresa da comunidade escolar ficou constatado que tais cestas básicas era apenas para alguns poucos alunos.
Requeremos a entrega de cestas básica para todos os alunos, em razão da situação de calamidade em nossa comunidade escolar, com grande número de desempregados e trabalhadores com salários insuficientes (muitos dos quais reduzidos, agora na pandemia), insuficientes para garantir a devida alimentação das crianças e jovens de nossa comunidade.
Além disso, a escola é situada em uma região de falta de acesso de saneamento básico, vulnerabilidade e fome.
A fome endêmica que assola muitas famílias, se vê intensificada com necessário fechamento das escolas, que precisa ser mantido até o fim da pandemia e vacinação de toda a comunidade escolar.”

A partir dessa mobilização a mesma reivindicação e abaixo assinado já percorre outras comunidades e escolas da região, que se mobilizam pelo direito a alimentação digna para seus filhos. A luta pelas cestas básicas, assim como a luta contra a volta as aulas em meio à pandemia está sendo impulsionada em várias comunidades da periferia paulistana e a partir deste exemplo chamamos as mais diferentes comunidades escolares de São Paulo a se organizarem pelo seu real direito a vida, sem fome e sem mortes.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Relacionadas