Ofensiva do latifundio
Para o governador de Rondônia a solução do problema é entregar o galinheiro para que as raposas possam dele zelar
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
lobo
Em Rondônia, o lobo cuidará das galinhas | Foto: Reprodução

O jornal Resistência Camponesa, ligado a organização de luta pela terra Liga dos Camponeses Pobres (LCP), noticiou que o governador bolsonarista do estado de Rondônia, coronel Marcos Rocha (sem partido), anunciou que apresentará um projeto de lei que trará a legalização da grilagem de terras no estado.

Conforme o veículo de imprensa da LCP :

 “O reacionário governador de Rondônia, coronel Marcos Rocha (sem partido), alinhado à extrema direita bolsonarista, quer legalizar a entrega de mais de 11 mil hectares da Reserva Extrativista Jaci-Paraná e do Parque Estadual de Guajará-Mirim a latifundiários grileiros da região.”

Esses 11 mil hectares da reserva extrativista e do parque estadual estão situados nos municípios de Porto Velho, Buritis, Nova Mamoré e Guajará-Mirim. Além disso, tal território fica nas proximidades da reserva indígena Karipuna, que, graças aos ataques dos latifundiários, é a 9ª reserva indígena mais desmatada do Brasil. O projeto de lei – que, por sinal, é flagrantemente ilegal – contribuirá imensamente para facilitar a invasão de territórios indígenas.

As terras em questão são objeto de conflito há vários anos. Entre outros conflitos, no ano de 2014, por exemplo, os grileiros tentaram anular judicialmente a criação da reserva extrativista, criação essa que ocorreu no ano de 1998.

Cinicamente, a justificativa da legalização da grilagem por parte dos latifundiários é apresentada pelo governador em  um vídeo gravado em conjunto com o secretário de Desenvolvimento Ambiental de Rondônia, o policial penal Elias Rezende de Oliveira. E qual é a benevolente justificativa para tal ação criminosa? Solucionar os “conflitos sociais e ambientais”. Em outras palavras: para eles, a solução do problema é entregar o galinheiro para que as raposas possam dele zelar.

Corretamente, o jornal Resistência Camponesa aponta a colaboração dos órgãos do Estado burguês com os latifundiários:

“São esses mesmos órgãos do velho Estado que perseguem e criminalizam camponeses sem-terra e com pouca terra em busca de terra, trabalho e moradia quando estes se organizam para ocupar terras públicas roubadas por ricos latifundiários, os órgãos que empenham esforços para entregar áreas indígenas e ambientais para os ricos latifundiários e seus bandos de pistolagem”.

Tal situação é uma demonstração inequívoca de que nada de bom se pode esperar do Estado no que se refere à luta pela terra ou por qualquer outra reivindicação do movimento operário e dos movimentos populares em geral, pois se trata de um Estado de classe, da classe burguesa ou, como disseram Marx e Engels no Manifesto Comunista, o aparato estatal é um administrador dos negócios comuns da burguesia.

É preciso apontar também que, com o golpe de 2016, os ataques aos movimentos que lutam por reforma agrária se intensificaram consideravelmente. Por isso, a mobilização deve ter em vista a luta contra o golpe que, nesse momento, não pode ser travada sem as palavras de ordem de Fora Bolsonaro e todos os golpistas, por um governo dos trabalhadores, por Lula presidente em 2022.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas