Como em Brasília e em todo o País, é preciso um ato em São Paulo contra a prisão de Lula

People take part in a protest against former Brazilian president Luiz Inacio Lula da Silva while the Supreme Court issues its final decision about his habeas corpus plea, in Brasilia

Nesta quarta, as atenções de todo o País estarão voltadas para o plenário do  Supremo Tribunal Federal (STF) onde será julgado o habeas corpus do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, alvo de um processo fraudulento e de clara perseguição política e cuja prisão, representa uma segunda etapa do golpe de estado que, 2016, derrubou a presidenta Dilma Rousseff.

Agora, cada vez mais sem apoio popular, a direita golpista pressiona para que o Judiciário, parte importante do golpe de Estado legitime uma nova e profunda violação da Constituição Federal, cassando o direito de Lula de aguardar em liberdade o julgamento de todo os recursos a que tenha direito, como qualquer cidadão brasileiro.

Está evidente que a prisão de Lula, seu afastamento do processo eleitoral e, principalmente, da cena política é uma questão decisiva para os golpistas que querem impor essa grande derrota à imensa maioria do povo brasileiro que deseja ver Lula novamente na presidência da República, para intensificar os ataques contra os explorados, suas conquistas e contra a economia nacional.

Em todo o País, ainda que com um certo grau de dispersão e confusão política, realizam-se atos contra a violação da Constituição que pode levar à prisão de Lula nos próximos dias. Nas proximidades do STF, em Brasília, devem se reunir milhares de manifestantes. Independentemente da decisão e da forma que se encaminhe a nova etapa do golpe, para a direita, para os representantes do grande capital está claro que é preciso manter a ofensiva contra Lula, contra toda a esquerda e contra todo o povo explorado.

Assim não há que ter ilusões de que uma vitória importante e duradoura para os explorados possa vir daí. A única arma eficiente dos que lutam contra o golpe e de suas organizações foi e continua sendo a mobilização popular, ocupar as ruas e não baixar a cabeça diante da ofensiva da direita, cada vez mais sem apoio popular e cada vez mais desesperada em suas ações, como evidenciam os ataques à caravana de Lula, o assassinato de Marielle e se seu motorista, as chacinas na Rocinha e Maricá, a violenta repressão contra os professores em São Paulo etc. etc.

Neste dia 4 e depois dele, é preciso sair às ruas em todo o País e em São Paulo – maior e mais combativo  pelotão do exército dos explorados, berço das principais organizações de luta dos trabalhadores e da juventude não pode ser diferente.

É  preciso reorganizar as forças, convocar todas as organizações de luta, a Frente Brasil Popular, a CUT, a CMP, MST, partidos de esquerda, grandes sindicatos etc. e convocar um grande ato contra a prisão de Lula, em São Paulo.

Esta situação precisa ser discutida nas atividades que acontecem no dia de hoje na cidade, como na Plenária dos Metalúrgicos do ABC (veja abaixo), no Congresso da Central de Movimentos Populares (CMP), que será aberto hoje, em Guararema, a 60 km da Capital.

Se a decisão do STF passar por cima da Constituição, é preciso organizar – imediatamente – uma resposta dos explorados, a luta em defesa dos direitos democráticos de Lula e de todo o povo, não aceitando de forma alguma a arbitrariedade do judiciário golpista.

 

Atos que estão convocados para hoje

 

Veja a lista das mobilizações, atos e vigílias marcados em todo o Brasil contra a prisão de Lula, e do cumprimento da Constituição Federal por parte do STF:

 

ALAGOAS
Maceió – 
14h – Praça Deodoro

AMAZONAS
Manaus – 13h – em frente ao Tribunal Regional Eleitoral de Manaus

BRASÍLIA
12h – Teatro Nacional, lado norte da Esplanada dos Ministérios
13h – caminhada sentido Congresso Nacional, na Alameda das Bandeiras, onde acompanharão o julgamento até o final

BAHIA
Salvador
Ato Político #LulaLivre
13h – concentração Fórum Rui Barbosa (Campo da Pólvora)
Pela manhã, haverá ato do Sindicato dos Advogados com saída da OAB até o Fórum Rui Barbosa e ato da APUB saindo da UFBA até o Fórum.

CEARÁ
Fortaleza – 15h – Praça da Bandeira (centro)

Cariri – 10h – Praça Siqueira Campos (centro do Crato)

MARANHÃO
São Luís 8h – Praça Joãozinho Trinta

MATO GROSSO
Cuiabá – 
13h – Vigília e ato político na Praça Alencastro

MATO GROSSO DO SUL
Campo Grande – 16h – esquina da Rua 14 de julho com a Rua Afonso Pena (centro)

MINAS GERAIS
Belo Horizonte – 17h  Praça Afonso Arinos – Ato pela Democracia e #LulaLivre

PARÁ
Belém – 15h – Praça da República, ao lado do bar do Parque

PARAÍBA
João Pessoa – 16h – Praça da Paz

PERNAMBUCO
Recife – 14h – Câmara de Vereadores do Recife

PIAUÍ
Teresina – 7h – Av. Miguel Rosa, próximo ao HUT, em frente ao Tribunal de Justiça

RIO GRANDE DO NORTE
Natal – 
15h – Calçadão da Av. João Pessoa

RIO GRANDE DO SUL
Porto Alegre
12h – Vigília – Esquina Democrática
17h30 – Ato político

RONDÔNIA
Porto Velho  – 18h – sede do PT estadual (centro)

SANTA CATARINA
Florianópolis – 13h – Beira Mar Norte

SÃO PAULO
Capital
LESTE 1 e 2
14h – Metro Itaquera – Atividade com carro de som

Freguesia do Ó/Brasilândia/Casa Verde/Pirituba
7h – Terminal Vila Nova Cachoeirinha

Vila Prudente
Pela manhã marcha e caminhada pela Comunidade da Prosperidade, Vila Califórnia, Vila Alpina e Vila Prudente.

Mooca
6h – Estação de trem CPTM

Campo Limpo/M’Boi Mirim
7h – Metrô Capão Redondo

Vila Maria
16h30 – haverá passeata, com concentração na Rua Manguari, 250 – Parque Novo Mundo

Bauru – 17h – em frente à Câmara Municipal

Registro – 16h – concentração na Praça do Skate da Beira Rio

Ribeirão Preto – 17h – Esplanada do Pedro II, no calçadão central da cidade

São Bernardo do Campo – 9h – Plenária no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC – Rua João Basso, 300

São Caetano do Sul – 16h – Rua Municipal esquina com Rua Heloísa Pamplona

Sorocaba – 7h – panfletagem pela região central da cidade