Ação do imperialismo
Imperialismo e fantoches buscam intervir militarmente no país caribenho através de tratado interamericano
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
3248110903_6766f5e723_o
Brasileiros que defendem soberania da Venezuela divulgaram nota sobre o TIAR. Foto: Alex Lanz/Flickr |

Da redação – Reproduzimos a seguir nota do Comitê Brasileiro pela Paz na Venezuela, que denuncia e repudia a ativação do Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR), a fim de intervir militarmente no país sul-americano como uma manobra do imperialismo para derrubar o governo de Nicolás Maduro e dominar os recursos naturais e econômicos da Venezuela.

O Comitê Brasileiro pela Paz na Venezuela repudia a resolução da Organização dos Estados Americanos (OEA) para ativar o Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR) contra o Estado Venezuelano, ocorrida neste último 11 de setembro. A resolução é uma evidente ameaça de intervenção militar estrangeira à Venezuela, tratando-se ao mesmo tempo de um atentado contra a soberania e autodeterminação do povo venezuelano, e de uma ameaça à paz e a integração dos povos da América Latina.

A proposta de resolução foi encabeçada pelos governos da Colômbia e do Brasil, em explícita articulação com o golpista fracassado venezuelano, Juán Guaidó, e com o governo dos Estados Unidos. Tais personagens recuperam este infame tratado – criado durante a guerra fria para facilitar intervenções militares na América Latina sob o pretexto ideológico de combate ao comunismo – para empreender mais uma tentativa golpista de desestabilizar e derrubar o governo legítimo de Nicolás Maduro, atentando frontalmente a Carta das Nações Unidas e os princípios da convivência pacífica, da não-intervenção e da autodeterminação dos povos, contidos em diversos tratados internacionais para resolução de controvérsias.

Ademais, o governo de Jair Bolsonaro mais uma vez mancha a histórica tradição diplomática do Brasil de promover a paz e a integração dos povos da região, e sob justificativas ideológicas, que correspondem aos interesses dos EUA na região, coloca em risco muitas relações econômicas, sociais e políticas que o Brasil tem com a Venezuela.

Nós, organizações membros do Comitê Brasileiro pela Paz na Venezuela e todos os que assinam este manifesto, manifestamos que:
– Defendemos a paz na Venezuela e em toda a América Latina;
– Defendemos a soberania e a autodeterminação do povo venezuelano;
– Repudiamos todas as ameaças de intervenção militar e desestabilização da paz na região;
– Repudiamos todas as sanções econômicas aplicadas à Venezuela, por parte do governo dos EUA;
– Repudiamos todas as tentativas de desestabilização política à Venezuela, por parte da oposição golpista venezuelana, do governo dos Estados Unidos, dos governos do Grupo de Lima, e de qualquer governo ou organismo internacional.

Reiteramos que os problemas da Venezuela devem ser resolvidos pelo povo venezuelano, por meios pacíficos e através de diálogo, neste sentido, apoiamos iniciativas de boa-fé com esse objetivo, como o processo de diálogo de Oslo.

São Paulo, 12 de setembro de 2019.

 

Assinam 

  1. Celso Amorim, diplomata e ex-chanceler brasileiro
  2. Gleisi Hoffman, presidenta do PT
  3. João Pedro Stedile, MST e Via Campesina
  4. Mônica Valente, secretária executiva do Foro de São Paulo e secretária de relações internacionais do PT
  5. Anisio Pires Rodríguez
  6. ABJD – Associação Brasileira de Juristas pela Democracia
  7. Associação Cultural José Martí Rio Grande do Sul
  8. APLB-Sindicato – Associação dos Professores Licenciados do Brasil
  9. Casa da Cultura Carlos Marighella
  10. CEBRAPAZ – Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz
  11. Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé
  12. Centro Ruy Mauro Marini
  13. Coletivo Abrebrecha
  14. Coletivo Alvorada – MG
  15. Coletivo Feminista Classista “Ana Montenegro”
  16. Comissão de Direitos Sociais e Interlocução Sociopopular da OAB/RJ
  17. Comité Argentino de Solidaridad con Venezuela
  18. Comitê Carioca de Solidariedade a Cuba
  19. Comitê Gaúcho em Solidariedade ao Povo Venezuelano
  20. Comitê General Abreu e Lima em Solidariedade a Venezuela
  21. Comitê Internacional Lula Livre Zona Norte Buenos Aires
  22. Comitê Internacional Paz, Justiça e Dignidade dos Povos
  23. CONEN – Coordenação Nacional de Entidades Negras
  24. Consulta Popular
  25. CUT – Central Única dos Trabalhadores
  26. CTB – Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil
  27. Eduardo Moreira, advogado
  28. FSM – Federação Sindical Mundial
  29. FIST – Frente Internacionalista dos Sem-Teto
  30. FNL – Frente Nacional de Luta Campo e Cidade
  31. Francisco Pellé, do festival de teatro Lusófono/Grupo Harém de Teatro
  32. FUP – Federação Única dos Petroleiros
  33. Intersindical Central da Classe Trabalhadora
  34. IPDMS – Instituto de Pesquisa Direito e Movimentos Sociais
  35. João Batista Lemos, presidente estadual do PCdoB-RJ
  36. Jornalistas Livres
  37. Juventude Comunista Brasileira
  38. Levante Popular da Juventude
  39. Lúcia Rodrigues, jornalista
  40. Márcia Chevrand, do coletivo Parem de Nos Matar
  41. Milton Pinheiro, cientista político e professor da Universidade do Estado da Bahia
  42. MAB – Movimento dos Atingidos por Barragens
  43. MAM – Movimento Pela Soberania Popular na Mineração
  44. MCP – Movimento Camponês Popular
  45. Movimento Cultural de Olho na Justiça
  46. MMC – Movimento de Mulheres Camponesas
  47. MMM – Marcha Mundial das Mulheres
  48. MNDH – Movimento Nacional de DIreitos Humanos
  49. Movimiento Octubres
  50. MPSC – Movimento Paulista de Solidariedade a Cuba
  51. MPA – Movimento dos Pequenos Agricultores
  52. MST – Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra
  53. Nereide Saviani, diretora de formação da Fundação Maurício Grabois
  54. Organização Comunista Arma da Crítica
  55. PCB – Partido Comunista Brasileiro
  56. PCdoB – Partido Comunista do Brasil
  57. PJR – Pastoral da Juventude Rural
  58. Pedro Alem Santinho, coordenador da fábrica ocupada Flasko
  59. Pedro Oto de Quadros, promotor de justiça em Brasília/MPDFT
  60. Raul Carrion, historiador e ex-deputado estadual pelo Rio Grande do Sul
  61. Rede de Médicas e Médicos Populares
  62. Resistência, corrente interna do PSOL
  63. Socorro Gomes, presidenta do Conselho Mundial da Paz
  64. TV Comunitária de Brasília
  65. UBM – União Brasileira de Mulheres
  66. UCB – Unidade Comunista Brasileira
  67. UJC – União da Juventude Comunista
  68. UJS – União da Juventude Socialista
  69. UNEGRO – União de Negros pela Igualdade
Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas