Comitê de luta realiza cine-debate sobre a previdência, na Zona leste de São Paulo

17ebcdda-3bdf-4326-a10f-f61794688db7

Neste sábado, 1° de dezembro, o Comitê Mauá contra o golpe realizou mais uma importante atividade, desta vez junto aos servidores e comunidade da Escola Municipal Thereza Maciel, zona leste de São Paulo, no Jardim Santo André.

Previdência e aposentadoria mais um alvo dos golpistas; em torno deste tema os companheiros do comitê realizaram um cine-debate com exposição do histórico da criação das caixas de socorro dos trabalhadores, nos primórdios das lutas operárias, que deram origem às previdências públicas nos mais diversos países do mundo.

Criada a partir da luta dos operários, a previdência pública brasileira está em risco, com a proposta mais recente dos golpistas recém eleitos com a fraude nas eleições de outubro. O governo de Jair Bolsonaro, dos militares e de Paulo Guedes já anuncia a capitalização da previdência, inicialmente instaurando previdências privadas complementares, caminhando no sentido da total entrega da previdência para os banqueiros.

Uma questão denunciada na palestra foi de que entre os anos de 2011 e 2015, a não cobrança pelo governo causou uma perda de 450 bilhões de reais em razão da inadimplência em especial dos grandes capitalistas, entre eles: Marfrig, Volkswagem, VASP, Transbrasil, Bradesco, Caixa Econômica federal, Mendes Júnior, Jornal do Brasil, Itapemirim, Fundação Casper Líbero, Governo do Estado de São Paulo, Banco Rural, entre mais de uma centena de outros poderosos capitalistas que fraudam a previdência pública brasileira. A perda gerada pelos poderosos capitalistas, ultrapassa em mais de 3 vezes o falso déficit alegado pelos proponentes da reforma da previdência.

Ao final após a exibição de alguns curtos documentários sobre a fraude da previdência deficitária, foi exposto em linhas gerais o plano de Bolsonaro para a Previdência. O guru, futuro ministro da economia, Paulo Guedes já chegou a anunciar aposentadoria aos 70 anos e a capitalização da previdência. Tal política não é originária do governo de extrema direita, prestes a tomar posse. Tal situação já tem no mundo, um exemplo mais do que claro, que tal situação levará ao aumento da miséria do país: o Chile.

Após o golpe militar que derrubou o também governo de Frente Popular de Salvador Allende em 1973, se iniciou uma política de ataque a previdência pública que culminou na década de 80, com a total privatização da previdência dos trabalhadores, acabando com a caixa de custeio tripartite e passando a responsabilidade para as mãos unicamente dos trabalhadores chilenos, com o pagamento mensal direto aos bancos, chegando nos dias atuais quando o trabalhador se aposenta, a receber cerca de 50% do salário que recebia na ativa.

Tal situação ficou ainda mais exposta para o mundo, com o enorme número de suicídios entre os idosos chilenos. Entre 2010 e 2015, 936 idosos acima de 70 anos tiraram a própria vida no Chile. O levantamento é do Ministério da Saúde do Chile apontando que os maiores de 80 anos apresentam as mais altas taxas – 17,7 por cada 100 mil habitantes, ante uma taxa média nacional de 10,2.  A pesquisadora Ana Paula Vieira, acadêmica de Gerontologia da Universidade Católica, avalia que muitos dos suicídios visam simplesmente acabar com o sofrimento causado, “por não encontrar os recursos [financeiros] para lidar com o que está passando em sua vida”. A depressão causada pelo sofrimento e pela humilhação dos idosos em ter de recorrer aos filhos, parentes ou mesmo virarem pedintes por conta da miséria paga ao aposentado chileno.

O tema da atividade teve uma ótima acolhida dos mais de 20 companheiros presentes. Uma professora declarou: “Essa palestra me clareou muito, não imaginava, o quão grave é a situação. Essas palestras tem que se repetir com mais alunos, pais e professores”.

A atividade terminou passando a clara mensagem de que a luta deve ser geral, deve ser contra o golpe, pois só assim os trabalhadores poderão impedir os variados ataques capitalistas aos trabalhadores e suas famílias no Brasil.