Combater a Escola com Fascismo: deputada fascista apresenta nova versão, ainda pior, do projeto
a
Combater a Escola com Fascismo: deputada fascista apresenta nova versão, ainda pior, do projeto
a

No primeiro dia de trabalho legislativo, segunda-feira (5), a deputada Bia Kicis (PSL-DF) apresentou uma versão ainda pior do famigerado projeto Escola com Fascismo. O novo projeto tem a clara intenção de incentivar a perseguição a educadores e funcionários da educação e tem um caráter ainda mais fascista que os anteriores.

Entre as novas maldades incluídas no projeto existe a autorização para que alunos gravem suas aulas, há a criação de um canal de “denúncias” anônimas sobre o cumprimento da lei e, ainda por cima, os grêmios estudantis ficariam proibidos de realizar atividades “político-partidárias”. Entretanto, sabemos que as únicas atividade que serão assim consideradas serão as de partidos de esquerda ou de organizações de trabalhadores e oprimidos.

Depois de ter o projeto inicial arquivado em dezembro, a deputada Bia Kicis, que é do partido de Bolsonaro (PSL), decidiu incluir algumas propostas e manter outras antes de tentar novamente a aprovação. Assim sendo, o conteúdo fascista e persecutório do projeto foi ampliado a piorado.

“Ficamos dois anos debatendo o projeto na Câmara e fizemos uma limpeza no que poderia ser melhorado. No caso da ideologia de gênero, falava-se que não poderia tratar do assunto, tiramos e colocamos que não poderá ser feito qualquer tipo de proselitismo em abordar questão de gênero, mas todo assunto pode ser tratado levando em consideração o amadurecimento sexual dos alunos”, diz ela.

O projeto prevê que os professores pode ser gravados em suas aulas abertamente. Além disso, avança na limitação da atividade dos grêmios estudantis, deixando também expressa a proibição de qualquer atividade política dos alunos. Por outro lado, essas e outra “regras” absurdas precisam ser fixadas em um cartaz, que agora precisa ser maior. A não fixação do cartaz já pode gerar uma punição para o educador. Tudo isso ligado a um canal de denúncias anônimas controlado pelo governo.

Como acontece com outras medidas do governo fraudulento de Bolsonaro, a publicidade dada aos projetos de lei, mesmo antes de aprovados, tem como intenção colocar lenha na fogueira da perseguição a esquerda a qualquer liberdade de pensamento. Na verdade, o governo o tempo todo tenta inflar os cachorros loucos e covardes do fascismo para irem pra cima do povo e seus representantes.

É o Escola Com Fascismo ainda pior. Querem transformar as escolas em um ambiente de permanente vigilância. Estudante e professores devem se mobilizar para derrotar a extrema-direita. Nenhuma trégua deve ser dada a quem quer perseguir os professores. Os fascista não podem ter sossego no país. Apenas a mobilização decidida e acertada da população pode mandar os fascistas voando de volta pro lixo da história.