Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
London, UK - July 19, 2018: The buttons of Whatsapp, Messenger, Telegram, Pinterest Twitter, Facetime and other chat apps on the screen of an iPhone.
|

Na última quarta-feira (03), o Congresso criou uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) mista formada por 15 senadores e 15 deputados, para investigar supostas “fake news” como manipulação de informações e uso de robôs durante a campanha presidencial de 2018.

Essa CPI atende às exigências da esquerda parlamentar pequeno-burguesa, que acredita cegamente que, se houve (e houve) fraude nas eleições, o motivo foram as notícias falsas espalhadas pela campanha de Bolsonaro. A fraude nas eleições consistiu, em primeiro lugar, na prisão e impedimento da candidatura de Lula, o favorito da maioria da população para se tornar presidente. 

Parte da fraude, obviamente, foram as manipulações de informações, tanto a respeito de Lula como do PT e dos candidatos de esquerda e a favor da direita. Mas essas manipulações foram feitas principalmente pelo monopólio da imprensa burguesa, que controla praticamente todas as comunicações do País e ajudou a eleger Bolsonaro. A disseminação de notícias falsas nas redes sociais nem chega a se comparar ao volume e qualidade da divulgação diária de mentiras que foi e continua sendo feita pela imprensa golpista.

No entanto, o principal ponto é que a investigação dessas supostas notícias falsas, ao invés de mirar e atingir Bolsonaro e a direita, é dirigida contra a própria esquerda.

Essa mesma imprensa golpista e mentirosa também publicou, durante as eleições, que o PT havia entrado no esquema de produção e propagação de notícias falsas pelas redes sociais.

Isso poderá ser alvo de ataques da CPI, ao invés da campanha de Bolsonaro. Até porque, mesmo com suas contradições com o governo, a Câmara e o Senado, em essência, estão de acordo e sustentam Bolsonaro na presidência.

Como este diário vem denunciando desde o início dessa campanha contra supostas notícias falsas, isso não passa de demagogia para censurar a liberdade de expressão e incriminar quem denuncia e combate a direita.

O “combate” às notícias falsas, como já foi comprovado, é um pretexto para a censura. No Brasil e no mundo, os grandes monopólios da informação estão simplesmente apagando conteúdo que atinja a direita, a burguesia e o imperialismo. Exemplo disso é a censura do Youtube, do Facebook, do Twitter e do Google a veículos russos, iranianos e norte-coreanos e, no Brasil, a exclusão de diversos perfis e páginas de esquerda nas redes sociais por ordem do Judiciário golpista.

Tal CPI é a comprovação concreta de que a luta contra a direita e Bolsonaro por meio das instituições golpistas é absolutamente ineficaz e resulta no efeito contrário: serve para fortalecer essas instituições em seus frequentes ataques à esquerda. E, para isso, os golpistas utilizam os mesmos argumentos propostos pela esquerda. A esquerda quer censurar a direita, mas como esta mantém domínio total sobre o Estado, será a direita que irá censurar a esquerda e toda a população.

A esquerda deve lutar pelo direito democrático básico da liberdade irrestrita de expressão. Caso seja vítima de uma mentira, a arma contra isso deve ser a explicação da verdade e não a censura.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas