Exército acoberta desmatamento
O desmatamento na Amazônia dobra em 2020 e bate com folga o recorde de 2019
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
unnamed-1(1)
Entre agosto de 2019 e abril de 2020, as taxas mensais de desmatamento dobraram. | Foto: Reprodução

O Exército Brasileiro mostrou até agora que serve para dar Golpe de Estado e, esconder os desmatadores e favorecer o desmatamento, como denunciam os servidores do IBAMA e ICMBIO.

Neste momento em que o desmatamento na Amazônia dobra em 2020 e bate com folga o recorde de 2019, ou seja, quando o desmatamento de 1.500 hectares ocorrido no município de Lábrea – AM, com alerta do DETER/INPE ocorrido durante a GLO é mascarado e mesmo escondido pelas forças militares descobrimos mais uma função do Exército.

É fato. O desmatamento em 2020 será maior do que em 2019, ano em que o Brasil registrou recorde de derrubada de vegetação nos últimos 10 anos, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O alerta veio dos sistemas Deter e SAD.

E, apenas 9 meses, entre agosto de 2019 e abril de 2020, as taxas mensais de desmatamento ficaram todas acima das do período anterior. O calendário do desmatamento vai de agosto do ano anterior até julho do ano corrente. Seguindo esse calendário é possível afirmar que no Pará, o aumento do desmatamento atingiu 170%, totalizando 233.011 hectares.

Na Amazônia Legal o desmatamento foi de 566.624, o que representa uma tendência de aumento de 94% em relação ao mesmo período do calendário anterior, ou seja, de agosto de 2018 a abril de 2019. Os alertas são do Deter.

O governo criou um jogo de faz de contas. Há um mês, o governo de Jair Bolsonaro enviou as Forças Armadas à Amazônia para “combater” os altos índices de desmatamento. A operação deflagrada a partir de um decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), subordinou Ibama e ICMBio ao Exército, o que foi alvo de protestos de entidades da sociedade civil.

As mentiras vêm dos altos escalões. O vice-presidente Hamilton Mourão chegou a afirmar na última semana que em maio o desmatamento já foi o menor dos últimos anos. Porém, segundo o Greenpeace, as imagens de satélite mostram a maior taxa de alertas de desmatamento registrada para o mês nos últimos cinco anos, “comprovando que a operação tem sido ineficaz em fiscalizar e conter a destruição da floresta”, diz a entidade.

Desmentem o governo, o sistema de satélites. “Como é possível constatar nas imagens de satélite, entre janeiro e maio deste ano, enormes clareiras seguem rasgando a floresta em áreas de 700, 1.000 e até 1.700 hectares, em regiões do Amazonas, Pará e Mato Grosso. Esses foram os maiores desmatamentos identificados dentro do período de execução da GLO”, afirma o Greenpeace em nota. “Essa destruição teria sido facilmente interrompida se desde o início tivessem sido usados inteligência e real interesse do governo no combate aos crimes ambientais”, diz o  porta-voz da campanha de Amazônia do Greenpeace, Rômulo Batista.

O capitalismo não tem mais nada a oferecer aos trabalhadores senão a barbárie e a destruição. É preciso derrubar o governo golpista.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas